Leigos Missionários Combonianos

“Tudo posso n’Aquele que me dá força” (Fl 4, 13)

LMC

LMC

Que bonita é aquela África de madeira que se encontra aos pés de Cristo. E quanto do olhar de São Daniel Comboni deixo que me penetre, deixo que me contemple. E quanto de mim entra naquele olhar. Recordo as palavras de alguém que um dia me disse “é impossível que aquele olhar não te penetre, não nos interpele“. E confirmo-as a cada vez que enxergo esta imagem do nosso incansável São Daniel Comboni.

Esta é a imagem sobre o altar que contemplo na capela da casa dos MCCJ de Madrid (onde hoje me encontrarei até por volta das 16h, hora a que o LMC David me virá buscar para, juntos vivermos o fim de semana em Arenas de San Pedro, a cerca de 160 km daqui) na qual não resisto a entrada para um momento de estar com o Senhor. A Ele lhe peço pela missão. Não somente pela “minha” mas a de cada um. A dos que partem. A dos que ficam. É na partida que está o amor também. A partida, o deixar o que temos para ganharmos algo maior: a liberdade da entrega a Cristo.  LMC

E falar de partida não é somente a partida física. Mas também a partida de nós mesmos. O sair de ti próprio todos os dias. A cada momento. É isso que hoje continuo a procurar, mas que hoje se torna fisicamente mais “fazível”. Parto da minha terra em busca da sabedoria e graça necessárias para que, de futuro, melhor possa colocar os meus dons a render. Assim nos próximos meses estarei em Madrid junto da família que escolhi, a família Comboniana, num curso de Missiologia (cujo programa desde cedo me deixou de coração ardente e de olhos brilhantes… confesso até que, arde em mim aquela ansiedade miudinha comum nas crianças nos dias antes de tornarem às aulas). É isso que hoje aqui, diante desta África aos pés de Cristo, também agradeço: a possibilidade de crescer mais em sabedoria e graça.

Na certeza de que sou frágil mas que, no seio de uma comunidade que vive pelo e para o amor, me torno mais forte. Porque “tudo posso nAquele que me dá força” (Fl 4, 13).

“Tudo posso nAquele que me dá força” – repito. Ecoa isto em mim. Só com Ele e através dEle poderei ter esta capacidade de sair de mim, ir ao encontro do amor, ser livre na medida em que confio nEle e nas suas mãos, amar sem medida. “Deus não escolhe os capacitados mas capacita os escolhidos”.Hoje entendo tão bem isto… e rezo a Deus para que me capacite para a missão para a qual fui destinada. A mim e a todos quantos vêem comigo! A família. O namorado. Os amigos. As pessoas. Cada uma, à sua maneira, é parte desta missão e sinto-me responsável por trazê-las também comigo.

LMCTu tornas-te eternamente responsável por aquilo que cativas.” (Antoine de Saint-Exupéry)

Assim é… Rezo por cada um, pela missão de cada um. Rezem por mim também, peço-vos. Obrigada do fundo do coração pela confiança… E mais do que em mim, em Deus. Tudo isto – e toda eu – só somos possíveis através dEle.

Tomai, Senhor, e recebei 
toda a minha liberdade
a minha memória
o meu entendimento 
e toda a minha vontade
tudo o que tenho e possuo
Vós mo destes; 
a Vós, Senhor, o restituo
Tudo é vosso
disponde de tudo, 
à vossa inteira vontade. 
Dai-me o vosso amor e graça
que esta me basta.

(Santo Inácio de Loyola)

Estamos juntos, sempre.

LMC Carolina Fiúza

Comunidade LMC “Ayllu” em Peru

LMC Peru

Ser comunidade é partilhar aquilo que somos com os outros, é ir até às periferias.
Neste vídeo partilhamos aquilo que vivemos em Villa Ecológica (Arequipa, Peru) e o trabalho que desenvolvemos com as pessoas idosas, crianças, famílias e doentes a nível social e pastoral.

Vejam e conheçam o nosso caminho, o que somos, onde estamos e com quem estamos.


LMC Ayllu em Peru

Tu, eu e o nós que Deus nos chama a ser

LMC Peru

Foste a comunidade que nunca escolhi mas com a qual sempre desejei fazer caminho, talvez porque, na diferença encontro um pouco mais de mim e no conjunto revelamos um pouco mais de nós.

Contigo aprendi que a missão não se faz só, e o tanto que preciso de ti. Cruzas-te o meu caminho e ainda que incompreendidamente abriste o coração e aceitaste-me como companheira de caminho, sim, no fundo é um caminho o que fazemos todos os dias neste pedaço de terra do outro lado da realidade que ambas conhecíamos.

Foste a mão estendida quando pensei que nada fazia sentido. Percebi, naquela noite quando orávamos juntas e tudo em mim parecia ruir que, não há erros nos planos de Deus para cada uma de nós. Foste e és o suporte quando tudo parece duro e difícil. És palavra que não esconde, olhos que falam, és tu.

Contigo aprendi as dimensões da partilha e da doação, neste triângulo do amor, numa dinâmica entre o eu o tu e o nós.

És muitas vezes os olhos que vêm para lá do que consigo ver. O coração que me escuta, quando preciso de falar. Os abraços que apoiam e suportam. A mão que sempre se faz presente quando no caminho aparecem os obstáculos. Deus sabe porque te colocou no meu caminho e agora eu também sei. Que Deus me ajude a cuidar-te e a saber decifrar a tua presença na minha vida e no nosso caminhar.

O que juntas conseguimos ser é o que move esta comunidade em busca da missão que Jesus tem para o mundo. Somos silêncio, somos risos muitos, somos críticas e exigência, somos limites e infinito, somos na teimosia das nossas vidas passadas e aprendizagens, somos lágrimas muitas vezes partilhadas entre as minhas lágrimas e o teu ombro ou abraço. Somos oração muitas vezes quando em silêncio olhamos a mesma realidade onde vivemos agora.

Venha quem vier e digam o que disserem, não importa mais. O que verdadeiramente importa é o que nas nossas imperfeições conseguimos ser de Deus.

Somos testemunhas de quem aceita crescer junto. Somos Andrea y Paola (Paula na tua terra natal) as vidas que Deus juntou para caminhar na direcção de um Amor que se aprende diariamente, um amor fruto de falhas, feito de oração, feito de silêncios e muitas vezes olhares que dizem tudo, feito de mãos estendidas e de tarefas partilhadas, de mau humor e teimosias muitas, de perspectivas diferentes e de duas maneiras que se completam de fazer as coisas.

Somos no que cada uma tem de si para dar. Somos no que és e no que me ensinas a ser. Somos no que aprendemos mutuamente. Somos no que sabemos ser-nos. Amor.

LMC PeruQuando me soube chamada à missão soube-me chamada a ser comunidade. Nesse caminho soube que Deus me chamava a ser comunidade com a Andrea (como humildemente chamam à Neuza no Peru). Chegar ao Perú foi saber-me num tempo de travessia do deserto. Ainda assim quando cheguei ao Perú soube-me feliz, irremediavelmente feliz e reconheci que a Andrea fazia parte dessa felicidade. Uma felicidade repleta de obstáculos, dificuldades, alegrias e gargalhadas e por isso uma felicidade completa. Quando fui chamada a caminhar com a Andrea soube que Deus tinha e tem algo a ensinar-me através dela. As pessoas são colocadas na nossa vida para nos fazer crescer, para nos tornar mais santas, para nos ensinar a caminhar e aproximar- nos de Deus. Caminhar com a Andrea exige aceitar que vão haver momentos complicados, difíceis mas que mesmo no silêncio ela está sempre lá. Ela vai saber quando acordas a chorar e vai lá abraçar-te e só se volta a deitar quando estiver segura que ficas bem. Ela vai estar lá a olhar-te quando parecer que o mundo te caiu em cima e invariavelmente vai chorar contigo unindo-se à tua dor. Viver com a Andrea é subir e baixar montanhas com dor na barriga de tanto rir. Com a Andrea sei-me capaz de enfrentar os maiores adamastores que aparecerem no nosso caminho. Com a Andrea não há viagens ou espera de autocarro enfadonhas. Com a Andrea há alegria em cada passo na missão. A Andrea engole cansaço, dor, sofrimento e acompanha-me rua acima e rua abaixo. Com a Andrea encontro Jesus em cada esquina. Viver com ela é uma aprendizagem contínua e um caminho que me proponho a percorrer todos os dias. Sou feliz e confio que somos felizes mesmo nos dias em que estou frágil e tudo parece cinzento tu estás aí sempre desse lado a amar-me tal como sou. Tal como o amor de Deus ser comunidade com a Andrea não é fácil mas é simples basta saber amar e ser amada. Ser comunidade com a Andrea faz-me continuamente lembrar-me da frase do Papa João Paulo II “Amar é um ato de vontade” porque eu quero amá-la todos os dias em cada passo deste nosso caminho.

Não é fácil viver em comunidade e partilhar tudo da nossa vida. Mas quando queremos e fazemos com amor e por amor, quando o fazemos sabendo que é Deus quem nos une, quem está no meio de nós, em todos os momentos e a todas as horas então está tudo bem. Ser comunidade é estar disponível a caminhar não em mim nem em ti mas em nós. Ser comunidade é permanecer unidas nas alegrias e partilhar as cruzes. Ser comunidade é saber dar espaço e abraços de urso. Em comunidade partilhamos o maior dom que Deus nos deu, a nossa vida. Juntas, em comunidade, alegramos uma casa seja ela qual for, rezamos seja lá aonde for, cantamos seja lá aonde for e vivemos em Vila Ecologia na nossa linda casa a que chamamos de lar.

Somos eu e tu, somos Nós.

LMC Peru

Comunidad Ayllu, Neuza (Andrea) e Paula (Paola)

Para além da colaboração: sob o olhar de Comboni

Familia Comboniana«O todo é mais do que a parte,
e sendo também mais do que a simples soma delas
» (EG 235).

Caríssimos/as irmãos e irmãs e leigos missionários combonianos

O encanto e a alegria do encontro impelem-nos a abrir caminhos novos na colaboração entre os Institutos fundados por Comboni ou que nele se inspiram.

Num mundo onde se constroem muros que separam e dividem, num mundo carregado de preconceitos motivados pelas diferenças de raça, línguas e nações e que tem dificuldade em abrir a porta a quem é diferente, sentimos a urgência do convite de Jesus à unidade e à comunhão: «que sejam um só para que o mundo creia» (Jo 17,21). Esta unidade não é só um convite a trabalhar com os outros (colaborar), mas também a aprofundar ainda mais as relações e a procurar de novos caminhos de encontro não fundados nas afinidades de carácter ou de interesses, mas sobre o Evangelho que nos chama a abrir-nos à aceitação do outro com os seus limites, as suas fragilidades, mas também as suas riquezas e belezas tendo em vista uma missão mais fecunda e generativa.

Os últimos decénios trouxeram mudanças sociopolíticas profundas que nos desafiam e nos chamam a procurar novas estruturas para tornar a nossa missão mais actual e significativa. Os movimentos populares pedem participação activa nos processos de decisão. É uma verdade não só na sociedade civil: esta onda de valores democráticos entrou também na Igreja. A realidade laical está cada vez mais presente em diversos ambientes ministeriais que até há pouco tempo atrás eram do domínio exclusivo do clero ou dos religiosos e das religiosas e contribui para a missão na medida em que oferece uma perspectiva própria que ajuda a uma leitura mais profunda da realidade. Juntos com os leigos podemos chegar a âmbitos nos quais a presença comboniana é desejada.

Reunidos como família comboniana no dia 2 de Junho de 2017, por ocasião do encontro anual dos conselhos gerais, para um dia de reflexão, oração e partilha, sentimo-nos interpelados a confirmar e renovar o nosso desejo de um caminho de colaboração mais profunda entre nós. Um caminho já iniciado há muito tempo como família comboniana, mas que é necessário renovar e aprofundar cada vez mais.

Recordamos o documento sobre a «Colaboração para a missão», de 17 de Março de 2002, por ocasião do aniversário da beatificação de Daniel Comboni. Nessa carta desenvolveu-se em profundidade não só o caminho feito e as «indicações operativas», mas sobretudo os fundamentos evangélicos e combonianos da colaboração. De facto, o Espírito de Jesus é o Espírito de unidade que Comboni desejava desde o início para a sua família, «pequeno cenáculo de apóstolos… que juntos resplandecem e aquecem» revelando a natureza do Centro do qual procedem, ou seja o Coração do Bom Pastor (E 2648).

Familia CombonianaDurante a nossa reflexão apercebemo-nos de que já foi feito e ainda se faz um longo caminho de colaboração em diversos modos e situações de vida dos nossos Institutos: basta pensar na partilha a nível de secretariados e serviços gerais, mas também a nível de províncias através da participação em assembleias provinciais, retiros comunitários, celebrações combonianas, cursos de formação permanente. Há também bons exemplos de reflexão e acção pastoral conjunta nos lugares onde vivem juntos membros dos nossos Institutos e dos LMC.

Experimentamos intensamente que o desejo de dar novo vigor ao nosso ser e fazer missão juntos tem a sua origem na pessoa humana – ser em relação –, na Palavra de Deus e na herança deixada pelo nosso fundador Daniel Comboni. Ele queria que toda a Igreja se empenhasse como um só corpo na evangelização da África: «todas obras de Deus, as quais, separadas umas das outras, produzem frutos escassos e incompletos; pelo contrário, unidas e dirigidas ao único fim de implantar estavelmente a fé na África interior, obteriam maior vigor, desenvolver-se-iam mais facilmente e tornar-se-iam grandemente eficazes para alcançar a meta desejada» E1100). Vários são os seus apelos a esta colaboração e, olhando para o seu exemplo, sentimos renascer em nós com maior vigor este espírito de colaboração.

Estamos conscientes de que neste caminho existem também obstáculos que nos podem desencorajar, incluindo uma insuficiente maturidade humana e afectiva, a auto-
-referencialidade, o protagonismo, o individualismo, a falta de identidade, a partilha do dinheiro. Porém, estas situações são ao mesmo tempo um desafio a procurar juntos e com criatividade novas formas de colaboração. Apraz-nos mencionar algumas vantagens de um trabalho de conjunto como Institutos combonianos: a beleza própria da colaboração, a complementaridade, o enriquecimento recíproco, a ministerialidade, o testemunho de viver e trabalhar em comunidade com géneros diferentes, nacionalidades e culturas diversas… Deste modo, não só nos tornamos testemunhas da unidade na diversidade, mas somos sementes de novas comunidades cristãs de irmãos e irmãs testemunhas da Palavra que anunciamos.

Temos um lindo carisma comum que cresceu e se desenvolveu em diversas expressões. Assim a inspiração de Comboni caminha na história para se tornar anúncio do Evangelho a cada geração onde os povos são marginalizados. O carisma cresce e renova-se quando é partilhado com outros que o recriam na particularidade de cada estilo de vida cristã. A diversidade não é uma ameaça à forma própria de ser combonianos, mas reforça o sentido de pertença quando é vivido com simplicidade e se oferece espaço ao outro.

Permitimo-nos, com humildade, sublinhar alguns aspectos para os quais sentimos ser necessário um esforço criativo e audaz a fim de melhorar a nossa colaboração a nível de pessoas, comunidades, províncias e direcções gerais: «É preciso alargar sempre o olhar para reconhecer um bem maior que trará benefícios a todos nós» (EG 235).

Comprometemo-nos a:

  • conhecer melhor a história dos nossos Institutos, fazendo, com gratidão, memória das maravilhas de Deus;
  • conhecer as pessoas e a vida actual dos nossos Institutos, comunicando aquilo que somos o que fazemos, através dos meios que temos para uma maior partilha das nossas actividades e projectos pastorais e missionários, apreciando os esforços que se fazem;
  • reflectir conjuntamente sobre a missão comboniana hoje no mundo: novos paradigmas de missão, ministerialidade (através de pastorais específicas) e interculturalidade. Mais do que dar resposta aos problemas é necessário parar e reflectir para oferecer perspectivas aos nossos Institutos;
  • iniciar comunidades ministeriais intercongregacionais (ou da família comboniana), onde viva no sinal da confiança recíproca. Olhando para o futuro, pensar como se pode reconfigurar a Família Comboninana para melhor testemunhar um trabalho de conjunto;
  • trabalhar juntos a nível de formação na iniciação dos nossos candidatos/as ao carisma e espiritualidade comboniana, partilhando cursos e encontros de formação permanente quando for possível (já foi escrita e distribuída uma carta a todos os formadores dos mccj durante a Assembleia de Formação da Maia, Portugal em Julho de 2017);
  • aprofundar a nossa espiritualidade comboniana e favorecer tempos de discernimento e oração na escuta da Palavra e dos sinais dos tempos em ocasiões específicas da vida dos nossos Institutos, promovendo encontros sobre a espiritualidade comboniana;
  • responder juntos a situações de emergência ou outras que impliquem um esforço comum.

Por ocasião do 150º aniversário do nascimento do Instituto dos Missionários Combonianos e do 25º aniversário do início da configuração dos Leigos Missionários Combonianos, sentimo-
-nos impelidos pelo Espírito a confirmar o esforço de colaboração.

Na certeza de que tudo quanto acima foi dito representa algumas das possíveis pistas para o caminho da colaboração, convidamos-vos a ser criativos e generosos, abrindo-nos ao sopro do Espírito Santo que faz novas todas as coisas e nos impele a seguir em frente com confiança: «O Espírito é o vento que nos empurra para a frente, que nos sustém no caminho, faz-nos sentir peregrinos e forasteiros e não nos permite encostar e tornar-nos um povo “sedentário”» (Papa Francisco, audiência de 31 de Maio de 2017).

Familia Comboniana

Roma, 10 de Outubro de 2017

 

Madre Luigia Coccia (Sup. Geral)

Ir. Rosa Matilde Tellez Soto

Ir. Kudusan Debesai Tesfamicael

Ir. Eulalia Capdevila Enriquez

Ir. Ida Colombo

 

Isabella Dalessandro (Resp. Geral)

Maria Pia Dal Zovo

Mariella Galli

Adília Maria Rodrigues Pascoal

Lucia Ziliotto

 

Alberto de la Portilla (Coordenador Comitê Central dos LMC)

 

Tesfaye Tadesse Gebresilasie (Sup. Geral)

Jeremias dos Santos Martins

Pietro Ciuciulla

Rogelio Bustos Juárez

Ir. Alberto Lamana Cónsola

 

 

 

 

 

 

Edição alemã dos Escritos (Schriften) de São Daniel Comboni

Escritos Comboni en Alemán

Foi um parto particularmente difícil, mas valeu a pena. O último dos filhos de uma família torna-se, às vezes, o filho predilecto de todos. Assim, por ocasião da festa de São Daniel Comboni, celebrada a 10 de Outubro de 2017, os seus escritos e as suas cartas surgem publicados também em alemão. Esta obra, publicada em dois volumes, foi apresentada aos confrades e amigos, durante o Simpósio Missionário de 7 e 8 de Outubro de 2017, em Ellwangen, na Alemanha. Os superiores provinciais ou os confrades que desejarem um exemplar destes Escritos, devem dirigir-se ao P. Anton Schneider, vice-provincial.

Um agradecimento muito especial a todos os que contribuíram e trabalharam incansavelmente para que esta edição se tornasse uma realidade e, em particular, aos padres Georg Klose e Alois Eder, pela tradução, e à Sra. Andrea Fuchs e ao P. Anton Schneider pela redacção final.

Esperamos que este esforço da DSP produza frutos abundantes, isto é, que lendo e meditando as cartas de Comboni, a sua figura se torne mais viva e presente em cada um de nós e entre nós, e se fortaleça, deste modo, a nossa identidade comboniana.

Escritos Comboni en Alemán

Na foto, desde a esquerda: P. Georg Klose, P. Alois Eder e P. Karl Peinhopf, superior provincial da Província de Língua Alemã (Deutschsprachige Provinz – DSP).

comboni.org