Leigos Missionários Combonianos

Maiata organiza exposição sobre missão de voluntariado em África

Cristina Sousa

Aos 51 anos, a maiata Cristina Sousa tem já uma experiência enriquecedora de dois anos de voluntariado na República Centro-Africana para mostrar através de fotografias.

Como Leiga Missionária Comboniana não quis deixar de registar fotos, como amadora, um povo que a aproximou do melhor que há no mundo. Agora, está a organizar com a Câmara da Maia uma exposição de que ouviremos falar em breve.

Cristina Sousa

Cristina Sousa é de Gueifáes, Maia, e em janeiro de 2018 partiu em missão de voluntariado para a República Centro-Africana, para a região de Mongoumba, onde esteve em contacto com o povo Pigmeu. Quando regressou a Portugal, dois anos depois, sentiu a necessidade de partilhar os registos audiovisuais que foi coletando ao longo da jornada para dar mais visibilidade ao quotidiano deste “povo maravilhoso”.

Cristina Sousa é Leiga Missionária Comboniana e, segundo ela, ser missionária é uma vocação, algo que nos acompanha no interior”. Cristina afirma que para se tornar missionária teve de integrar uma formação de três anos. “Somos preparados espiritualmente, aguardamos e depois somos enviados”, explica. Envio esse, que é feito pela equipa responsável pelos Leigos, mas para que Cristina “é algo interior, onde sentimos que é Deus que nos envia”.

A missionária já integra este caminho há cerca de 5 anos e segundo ela “não precisamos de ir para fora para sermos missionários”. A necessidade de ir ao encontro “do nosso irmão”, como explica Cristina, “é algo que nasce e que ferve dentro de nós” e se a necessidade não for alimentada “não andamos bem”.

Povo Pigmeu é “extraordinário”

A sua primeira e única missão até à data foi na República Centro-África, “mesmo no coração de África”, onde partilhou experiências com os Pigmeus. Segundo Cristina Sousa, o povo Pigmeu é “extraordinário e muito particular, são de uma humildade e de uma simplicidade que só la senti e vivi”. Por isso, considera que foi um “privilegio viver com este povo, ser acolhida, conquistada e conquista-los também”.

O povo Pigmeu mora em acampamentos “pouco populosos” e espalhados pela floresta, e o objetivo dos Leigos Missionários Combonianos é ajudar na integração em aldeias. “Quase nunca são bem acolhidos, porque vivem na floresta e são bastante discriminados”, explica Cristina. “Eles são explorados e não têm acesso à escola, nem ao hospital”. Assim, o papel dos Leigos é servir de “ponte nessa integração”.

Atualmente, devido ao trabalho feito por missionários como esta maiata, já existem muitas crianças a frequentar escolas e mais acesso à saúde, no entanto a discriminação continua a ser bastante visível entre os povos. Cristina afirma que uma das suas maiores preocupações é o facto de não existirem registos deste povo “como pessoas, é quase como se não existissem”.

Na tentativa de conceder alguma identidade a este povo, Cristina Sousa viu-se confrontada com a realidade do mesmo, porque “eles são nómadas, as suas casas não são protegidas da chuva, nem têm como guardar documentos nas suas roupas”. Deste modo, a existência de documentos de identificação pessoal é quase inviável.

Segundo a Leiga Missionária Comboniana “o processo de Inculturação requer muito cuidado”, pois “vamos com os nossos ideais e temos de perceber que eles têm os deles. O nosso carisma principal é Salvar África com África. Ou seja, ajudar na formação do africano para que ele caminhe por si próprio”. Deste modo, a função dos Leigos é “estar, testemunhar e transmitir a Boa Nova”. A partilha de conhecimentos ao povo africano é, segundo Cristina, “bastante difícil, porque depois vamos embora e eles podem até nem ter percebido muito bem o que foi transmitido”.

Cristina Sousa regressou da república Centro-Africana mesmo no limite do 1º confinamento.

Quando Cristina Sousa regressou para Portugal, em fevereiro de 2020, afirma que foi uma questão de sorte não ter sido “apanhada nos aeroportos” pois, duas semanas depois, o país entrou no primeiro confinamento. Para receber notícias de África, Cristina tenta estabelecer contacto com “compatriotas portugueses que se encontram na capital, padres e irmãos”.

A pandemia do Covid-19 é “incontrolável na República Centro-africana”. Segundo Cristina, por carência de recursos económicos e “falta de locais próprios, as pessoas não têm acesso a testes e por isso, nunca se sabe a real causa da morte”, No entanto, “devido à esperança média de vida rondar os 40 anos, o número de idosos é extremadamente reduzido e por isso acredito que lá a Covid-19 não seja tão agressiva e resistente”.

Relativamente às medidas de prevenção como a utilização de proteção facial que “às vezes enviam-me fotografias ou vídeos e vê-se as pessoas de máscara”. O que para ela “não faz muito sentido, pois na hora de dormir estão todos juntinhos”.

Para ela falar em covid nestes cenários é ainda mais difícil, até porque existem outras doenças mais graves há vários anos a matar, como a malária, a ébola e a lepra, por exemplo, em que morrem milhares de pessoas diariamente. “Há imenso tempo que isto acontece e ainda não existe uma vacina”, acrescenta.

As desigualdades entre países desenvolvidos e em desenvolvimento “mantêm-se muito presentes” e Cristina Sousa explica que não compreende “a falta de manifestações sobre os direitos dos povos africanos”.

Cristina gostava de ver mais luta pelos direitos dos africanos.

“Vejo muitas manifestações dos direitos humanos e dos animais, mas e estas pessoas? É importante irmos para a rua manifestar a desigualdade”.

Contudo, Cristina reflete que nem tudo é mau. “Se calhar também estragamos um pouco o equilíbrio destes povos, porque fomos para lá mostrar uma realidade diferente da que eles conhecem. Eles vivem da natureza e não podemos tirar-lhes a natureza”. Segundo ela “existe aqui um paradoxo que exige reflexão”.

A Leiga Missionária Comboniana refere também que viu “crianças morrer com picadas de serpentes e outras coisas simples”. Coisas que “se se passassem no ocidente, não culminavam em mortes. É difícil gerir as emoções, porque pensamos sempre que se essas pessoas tivessem nascido noutro lugar, não era assim”.

Ao longo da sua missão, Cristina Sousa foi capturando com uma máquina fotográfica os tempos que passou com o povo Pigmeu. De forma amadora, esta maiata foi registando o quotidiano deste povo sui generis com o propósito de “divulgar a mensagem que a imagem transmite, isto é, dar a conhecer este povo maravilhoso. O nosso dever como missionários é trazer a realidade deles para cá e de alguma forma sensibilizar um pouco as pessoas para outras realidades”.

Cristina Sousa está atualmente em negociações com a Câmara Municipal da Maia para que os seus registos fotográficos possam ser expostos e partilhados com a comunidade de onde é natural. Ainda com local e data por definir, Cristina Sousa espera poder partilhar o quotidiano dos Pigmeus com os seus conterrâneos.

A missionária defende que “a partilha do que nós temos e do que os outros nos podem dar é o que nos desenvolve com pessoas. A troca de experiências de diferentes realidades é, no fundo, o que nos enriquece e faz crescer”.

Cristina Sousa
Cristina Sousa

Sim significa Não

Etiopia

Borana Culture Ethiopia
Borana Culture, Southern Ethiopia

“O que você acha?”, continuou Jesus. Havia um homem que tinha dois filhos. Ele foi ao primeiro e lhe perguntou: “Filho, vai trabalhar na vinha hoje”.   “Eu não quero”, ele respondeu, mas depois se arrependeu e foi embora. Então o pai se voltou para o outro filho e lhe perguntou a mesma coisa. Ele disse: “Sim, senhor”, mas ele não foi. Qual dos dois fez o que seu pai queria? “O primeiro”, responderam eles. Mateus 21:28-31

Após a leitura desta parábola na missa dominical na missão rural de Dadim, o padre Anthony, um missionário nigeriano, mergulhou em sua homilia com confiança. Uma vinha é inimaginável no meio do solo vermelho árido do sul da Etiópia, então o padre trocou alguns detalhes da parábola por algo que o povo pudesse entender. Dadim é uma região de pastores perto da fronteira do Quênia, onde o gado e os camelos vagam livres e a vida do povo Borana semi-nômade gira em torno de seu gado. Então o Padre Anthony reescreveu a história e falou de uns filhos que foram convidados a levar o rebanho para beber água.  Apesar desta mudança, a história permaneceu essencialmente a mesma: o primeiro filho disse “Não” e depois foi; o segundo filho disse “Sim”, mas não foi.  E ele perguntou à assembléia: “Qual dos dois fez a vontade do Pai? Os paroquianos foram unânimes: o segundo filho. O padre, um pouco confuso, explicou a história de novo em detalhes. E mais uma vez ele recebeu a mesma resposta.

Na cultura Borana, a palavra “não” nunca é pronunciada. Nem mesmo em voz baixa. É o insulto de maior gravidade e ainda mais se for dito a um pai. É o mais grave desrespeito. A única resposta que sempre pode ser dada é “Sim”. Mas será que este “sim” implica sempre a afirmação? A resposta parece ser não. Pode-se concordar com a hora e o local de uma reunião e nunca aparecer; pode-se concordar em fazer um trabalho e nunca o fazer; pode-se dizer que ficará, mas vai embora; pode-se dizer que vai embora, mas fica.

Você pode realmente dizer “Sim” com muitas boas intenções, mas então há tantos fatores em sua vida que podem mudar seu plano inicial que a maioria das respostas afirmativas nunca realmente acontecem. Mas dizer “não” é tão sério que mesmo tomando a ação apropriada mais tarde você não pode corrigir o erro inicial.

Naquele dia, não se chegou a nenhum consenso entre o padre, que havia acabado de chegar, e os paroquianos. Para o povo Borana, foi a atitude inicial do primeiro filho que o fez mal. Que coragem para ele dizer “não” a seu pai.

A missão está cheia de situações desconcertantes. E isto nos lembra as diferenças que encontramos nas culturas e os desafios de comunicar a mensagem do Evangelho nessas culturas. Talvez o padre Anthony também tenha aprendido uma lição importante para seu trabalho futuro com a comunidade Borana, embora certamente tenha esperança de que um “Sim” se torne realmente uma ação e um compromisso.

 

Maggie, Mark, Emebet, Isayas e Therese Banga, Leigos Missionários Combonianos, Awassa, Etiopia

Ser missão na Etiópia – os primeiros olhares

CLM Ethiopia
CLM Ethiopia

Para trás ficam Qillenso, Adola e Daaye e os meus olhos durante a viagem neste verde que contrasta com tudo o que tinha visto até agora desde que cheguei a este novo lugar onde Deus nos espera a cada um, pelo menos no abraço de uma oração que pode viajar desde bem longe (espero que desde os vossos corações). Aproveito a duração de uma viagem para tentar partilhar (nem que seja um grão) das maravilhas deste povo que tão bem me tem recebido. Estamos numa semana incomum.

Aproveitamos que o início das aulas de Amárico apenas terá início a 3 de Junho (semana que vem) para vir conhecer as várias missões dos MCCJ e também dos LMC (em Awassa) na zona sul da Etiópia.

Adis Abeba, onde reina a poluição, o ruído, o frenesim dos muitos carros e pessoas que deambulam sem regra pelas ruas. Poderia chamar-lhe uma comum cidade europeia não fosse a desordem que aqui governa. Viajar de carro é sempre uma aventura, pois a estrada aqui também pertence aos animais e pessoas (afinal, os carros chegaram depois!). De entre as várias e preenchidas ruas que aqui existem, a que me custa mais (até agora) atravessar é a indescritível Mexico Square, ponto de referência para a chegada a casa. Indescritível por não existirem palavras para desenhar a dor que me dá quando vejo aqueles corpos estendidos no meio de chão, corpos magros, sem vida a brotar, uns que não vêem, outros que não têm pés para andar. A estes corpos se encontram anexados muitas vezes o semblante de uma criança, cujo olhar perdido não passa despercebido. Faço histórias na minha cabeça que, provavelmente, são as suas. São mães desnutridas e os seus filhos. Como dói olhar e dói ainda mais não saber o que fazer!

CLM Ethiopia

A viagem esta semana pelo Sul da Etiópia permitiu também ter uma visão bem diferente e colorida deste grande e imenso país. À medida que viajamos de Adis Abeba para Awassa, Qillenso, Adola e Daaye, o cenário, a paisagem vão mudando os seus padrões e figuras. Se em Adis e Awassa há um manto de casas até onde a vista alcança, em Qillenso, Adola e Daaye a terra veste-se de vermelho e do verde da vegetação acabada de nascer pelo início das chuvas. Pelo caminho semeiam-se casas, estas já com uma configuração mais rudimentar e que são autênticas obras de arte. E o carro passa e os que o vêm passar olham. Olho-os também através do vidro da carrinha. Que olhar bonito! E sorriem sempre ao ver-nos a passar!

Estou feliz pela missão que Deus nos entregou aos três e para a qual pedimos as vossas orações. A missão nunca será nossa. Também é vossa. Mais que tudo, é de Deus. Provavelmente, e conscientes disto, sabemos que os grandes e maduros frutos deste trabalho apenas (e Deus queira) serão visíveis daqui a uns largos anos.

CLM Ethiopia

Estou bem! A sentir tudo. As pessoas, os seus olhares, as suas palavras que muitas vezes não entendo, mas procuro responder com um sorriso, ou um olhar de ternura, ou usar as poucas palavras que já sei dizer em amárico. Tem sido um tempo de observar, ouvir, tentar perceber. Vantagens também de eu mesma não ter um nível de inglês fluente que me permita falar muito (e muito menos amárico). Tiro partido disso e acabo por escutar mais, observar mais. É tempo disso!

A nossa passagem na rua é sempre motivo de olhares. As pessoas olham-nos, como se fossemos raros. Para as crianças é uma festa! Olham-nos e de sorriso esboçado lançam atrevidas:

– Farengi! Farengi! Ou China! China!

Na falta de saber o que fazer muitas vezes, olhamo-las e sorrimos. Estendem o braço e trocamos um aperto de mão. Ficam todas contentes de nos tocar… é recíproco!

Num destes dias, em Awassa, visitámos as irmãs da Madre Teresa, e o expectável aconteceu: a mesma reação das crianças que se querem pendurar em nós… Correm na nossa direção para nos tocar a mão. E não só a mão. Os braços, a cara. E vão-se assim aproximando, deleitando-se com o nosso calor. Correm à procura do amor. E procuramos dar-lho. Na dificuldade de não saber muito amárico, digo o mesmo de sempre. Não posso limitar-me às mesmas palavras de sempre, pensava. Tento lembrar outras coisas que possa dizer, e lá me sai:

CLM Ethiopia

– Mndn new? (o que é isto?) – pergunto apontando para a minha camisola.

– Makina (carro) – respondem várias, cada uma a seu tempo.

Repito a mesma pergunta para outras coisas, incluindo a cruz que trago ao peito.

E assim me vão respondendo. É uma festa para elas! E para mim. Mal sabem o quanto me estão a ensinar. Confio que são os melhores professores que poderei ter. Ficam contentes daquele pouco. Quem sabe com sede de mais, como eu.

Estou a sentir tudo, inclusive a saudade. Ai a saudade! Essa também me habita, como é claro (não fosse eu uma portuguesa… Daquelas saudosistas e nostálgicas)! Como alguém me disse, a saudade é o amor que fica. Por isso, quero sempre que esta saudade faça parte comigo.

Têm sido dias bonitos, carregados de novidade. Também com a comunidade, o David e o Pedro. Nas nossas diferenças, vejo três peças de um puzzle que se une e que encaixam. Tem sido bonito o irmos percebendo juntos ao que somos aqui chamados a fazer. Sentimos o peso da responsabilidade de estarmos a iniciar, a semear este grão que queremos que outros venham regar, ceifar, colher. A messe aqui é grande! Porém sentimos uma grande força de querer dar passos. Que o Espírito Santo nos ilumine a dar os passos certos, nos tempos e locais certos.

Rezem por nós, pela missão e sobretudo por este povo que nos acolhe e que procura e luta pela vida, dia a dia.

Com muito amor,

LMC Carolina Fiúza

Últimas notícias de Maria Augusta da Missão de R.C.A.

Centroafrica

Centroafrica

A Leiga Missionária Comboniana Maria Augusta Pires, de Janeiro de Baixo, que está em missão na República Centro-Africana (na Missão de Mongoumba), aproveitou mais uma vinda à capital (Bangui) para enviar notícias. Rezemos pela paz naquele país e por todos os missionários! Eis o texto enviado por ela [para o jornal da sua paróquia, O Astrolábio]  no passado dia 25 de Maio:

Eu e todos os membros da comunidade apostólica estamos de boa saúde, graças a Deus.

Estamos em Bangui para fazer compras… a Ana tinha a viagem marcada para o dia 18, mas, como a adiou para o dia 8 de Junho, tivémos que vir na mesma, porque nos faltavam medicamentos e muitas outras coisas necessárias no dia-a-dia, e também já tínhamos a despensa quase vazia.

No dia 12 de Junho voltam o Gervelais e o pai, de Dakar. Damos graças ao Senhor porque correu bem a operação. Espero que ele esteja contente e de boa saúde.

No dia 11 de Maio, foi morto, espancado, um enfermeiro do hospital acusado de “likundu” (feitiçaria). Ficámos todos muito tristes com este acontecimento. Esperamos que seja feita justiça e que os que lhe causaram a morte sejam bem castigados, a começar pelas autoridades que lhe recusaram protecção… Pedimos ao Senhor que nos ajude a defender as pessoas apontadas de tal maldição. Já houve vários casos de pessoas acusadas e que foram protegidas pela Missão e por alguns cristãos corajosos. Que o Senhor da vida faça que tal nunca mais aconteça com ninguém e que todos os cristãos tenham a força de denunciar tais violências.

No dia 1 de Maio, em Bangui, na paróquia de Nossa Senhora de Fátima, durante a Eucaristia, foram mortas 16 pessoas e 100 ficaram feridas pelos rebeldes. Acabaram por falecer 22 pessoas, entre elas, um dos padres que estava a concelebrar. Os habitantes deste bairro continuam com muito receio de serem atacados de novo. Rezem muito por este nosso povo, que já está cansado de sofrer…

Eu, se Deus quiser, não voltarei a Bangui antes da partida para Portugal, pois, no mês de Junho, estarei muito ocupada com as avaliações dos alunos e os trabalhos do final de ano. No dia 4 de Julho, parto de Centro África e chego a Lisboa no dia 5, à tarde. É como no ano passado. Voltarei à Missão, se Deus assim o quiser, no início de Setembro. A Cristina está animada, continua a estudar o sango [língua local].

Estamos sempre unidos pela oração, isso dá-nos muita força e coragem. Um grande abraço Missionário, do tamanho do mundo, para o Padre João e Padre Orlando e todos os féis a vós confiados. Até breve!

Com muita amizade

Maria Augusta

 in o Astrolábio

ANO V – Nº 121 – 3 de Junho de 2018

Paróquias de Cabril, Dornelas do Zêzere, Fajão, Janeiro de Baixo, Machio, Pampilhosa da Serra, Portela do Fôjo, Unhais-o-Velho e Vidual

Francisco: uma mensagem de Amor

Papa en PerúA vinda do Papa ao Peru não deixou o povo peruano indiferente. A sua proximidade às pessoas tocou os seus corações. Foram muitos os testemunhos de quem o acompanhou presencialmente e através da televisão. A alegria reinou no Peru assim como ainda vivemos nos dias de hoje sob o signo da esperança deixada por um Papa do povo. Um Papa que se uniu às grandes feridas abertas no Peru apelando a uma mudança que só acontece, se soubermos como irmãos unir as nossas mãos em busca de uma verdadeira casa comum.

Neste caminho de preparação para o sínodo dos jovens o Papa não partiu sem deixar uma mensagem desafiante de amor e alegria. Lembrou-nos com as suas palavras que os jovens não são o futuro, como tanto se fala, mas sim o presente de um mundo ao qual não devem, nem podem ficar indiferentes.

Papa en Perú«Estou feliz por me poder encontrar convosco. Para mim, estes encontros são sempre muito importantes, mas mais ainda neste ano em que nos preparamos para o Sínodo sobre os jovens. Os vossos rostos, as vossas aspirações, a vossa vida são importantes para a Igreja: devemos dar-lhes a importância que merecem e ter a coragem que demonstraram muitos jovens desta terra que não tiveram medo de amar e gastar a sua vida por Jesus.

Queridos amigos, tendes tantos exemplos! Penso em São Martinho de Porres. Nada impediu aquele jovem de realizar os seus sonhos, nada o impediu de gastar a sua vida pelos outros, nada o impediu de amar; e fê-lo porque tinha experimentado que o Senhor o amara primeiro. Assim como era: mulato e a braços com muitas privações. Aos olhos humanos, concretamente dos seus amigos, parecia destinado a «perder», mas ele soube fazer algo que se tornaria o segredo da sua vida: ter confiança. Ter confiança no Senhor que o amava. E sabeis porquê? Porque o Senhor confiara nele primeiro; como confia em cada um de vós e nunca Se cansará de ter confiança. A cada um de nós, o Senhor entrega uma missão qualquer, e a resposta é ter confiança n’Ele. Agora cada um de vós pense no seu coração: Que missão me entregou o Senhor? Que coisa me entregou o Senhor? Cada qual pense: Que missão tenho no meu coração, que me foi entregue pelo Senhor?

Poder-me-íeis dizer: mas há momentos em que se torna muito difícil! Compreendo-vos. Nesses momentos, podem vir pensamentos negativos, sentir que há muitas situações que nos caem em cima e parece que ficamos «fora dos [jogos] mundiais»; parece que nos estão a vencer. Mas não é assim! Mesmo nos momentos em que já tenha chegado a eliminação, devemos continuar a ter confiança.

Há momentos em que podeis pensar que ficareis sem poder realizar os desejos da vossa vida, os vossos sonhos. Todos passamos por situações como estas. Nesses momentos em que parece apagar-se a fé, não vos esqueçais que Jesus está ao vosso lado. Não vos deis por vencidos, não percais a esperança! Não vos esqueçais dos Santos, que nos acompanham do céu; recorrei a eles, rezai e não vos canseis de pedir a sua intercessão. São os Santos de ontem, mas também os de hoje: esta terra tem muitos, porque é uma terra «cumulada de santidade». O Perú é uma terra «cumulada de santidade». Buscai a ajuda e o conselho de pessoas que sabeis serem boas para vos aconselhar, porque os seus rostos manifestam alegria e paz. Fazei-vos acompanhar por elas e, assim, avançai pelo caminho da vida.

Mas há outra coisa: Jesus quer ver-vos em movimento; quer ver-te levar por diante os teus ideais e que te decidas a seguir as suas instruções. Ele levar-vos-á pelo caminho das Bem-aventuranças: um caminho nada fácil mas apaixonante, é um caminho que não se pode percorrer sozinho, é preciso percorrê-lo em grupo onde cada um pode colaborar com o melhor de si mesmo. Jesus conta contigo, como fez, há muito tempo, com Santa Rosa de Lima, São Toríbio, São João Macías, São Francisco Solano e muitos outros. E hoje pergunta-te, como a eles: estás disposto, estás disposta a segui-Lo? [respondem: sim!] Hoje, amanhã, estás disposto, estás disposta a segui-Lo? [respondem: sim!] E daqui a uma semana? [respondem: sim!] Não o digas tão seguro, não o digas tão segura de ti. Olhai! Se quereis estar dispostos a segui-Lo, pedi-Lhe que vos prepare o coração para estar dispostos a segui-Lo. É claro? [respondem: sim!]

Queridos amigos, o Senhor olha-vos com esperança, nunca desanima a nosso respeito. Mas a nós sucede; talvez nos aconteça desanimar a respeito dum amigo, duma amiga, porque nos parecia bom mas, depois, vimos que não era assim tão bom: desanimamos e deixamo-lo de lado. Jesus nunca desanima… nunca. «Mas, padre, se soubesse as coisas que eu faço, digo uma coisa e faço outra, a minha vida não está limpa de todo…». Mas Jesus, apesar de tudo, não desanima a vosso respeito. E agora façamos um pouco de silêncio. Cada qual olhe, no coração, como está a sua vida. Olha-a no coração e constatarás que, em certos momentos, há coisas boas; noutros, há coisas que não são tão boas e, apesar de tudo, Jesus não desanima a vosso respeito. E, no teu coração, diz-Lhe: «Obrigado, Jesus! Obrigado porque vieste para me acompanhar mesmo quando estava numa situação ruim. Obrigado, Jesus!» Digamos-Lho todos juntos: Obrigado, Jesus! [repetem: «Obrigado, Jesus!»].

É muito belo ver fotos retocadas digitalmente, mas isso serve só para as fotografias, não podemos fazer o «photoshop» aos outros, à realidade, a nós próprios. Os filtros coloridos e a alta definição funcionam bem apenas nos vídeos; nunca podemos aplicá-los aos amigos. Há fotos que são muito lindas, mas estão todas maquilhadas; e deixai que vos diga: o coração não se pode «photoshopear», porque é nele onde se joga o amor verdadeiro; nele joga-se a felicidade. É nele que mostras o que és: como é o teu coração?

Papa en PerúJesus não quer que te «maquilhem» o coração. Ele ama-te assim como és e tem um sonho para realizar com cada um de vós. Não vos esqueçais: Ele não desanima de nós. E se vós desanimardes, convido-vos a pegar na Bíblia e, lendo-a, recordar os amigos que Jesus escolheu, que Deus escolheu: Moisés, era tartamudo; Abraão, um idoso; Jeremias era muito jovem; Zaqueu, pequenito; os discípulos, quando Jesus lhes dizia para rezar, adormeciam; Madalena, uma pecadora pública; Paulo, um perseguidor de cristãos; Pedro renegou-O… Depois foi feito Papa, mas tinha-O renegado. E poderíamos continuar a lista… Jesus gosta de ti assim como és, do mesmo modo que gostou daqueles seus amigos assim como eram, com os seus defeitos. Com vontade de te corrigires, mas, como és, assim te ama o Senhor. Não te deves maquilhar, não maquilhar o teu coração, mas apresenta-te diante de Jesus como és, para que Ele te possa ajudar a progredir na vida.

Quando Jesus nos olha, não pensa quão perfeitos somos, mas em todo o amor que temos no coração para oferecer e para O seguir. Para Ele, esta é a coisa importante, a coisa maior: quanto amor tenho eu no coração? E esta pergunta, quero que a façamos também à nossa Mãe: «Mãe, amada Virgem Maria, olha o amor que tenho no coração. É pouco? É muito? Não sei se é amor». E tende a certeza de que Ela vos acompanhará em todos os momentos da vossa vida, em todas as encruzilhadas dos vossos caminhos, sobretudo quando tiverdes de tomar decisões importantes Não desanimeis, não desanimeis! Avançai, todos juntos! Porque vale a pena viver a existência de fronte erguida. E que Deus vos abençoe!»

Papa Francisco no Peru

Era Domingo e como fazemos normalmente reunimo-nos com o grupo de Jovens depois da Eucaristia. Vivíamos todos esta graça de nos sabermos longe mas ainda assim tão perto do representante de Deus na terra. Não tínhamos nada planeado na verdade juntámos em nossa casa com o intuito de fazer uma pequena oração e partilhar o que cada um de nós sentia com esta presença do Papa. Porém, fomos surpreendidos quando ao ligar a televisão assistimos a um dos mais desafiantes discursos do Papa para os jovens. Permanecemos em silêncio. Escutámos uma a uma das palavras proferidas por tão sábia pessoa. Surpreendidos rezámos juntos. Experimentámos em solo peruano um pedaço de céu.

Papa en PerúVilla Ecológica (Arequipa), 21 de Janeiro de 2018

Paula e Neuza, LMC em Peru