Leigos Missionários Combonianos

Mapeamento da pastoral social da Família Comboniana

niños jugando

A Família Comboniana – combonianos, combonianas, seculares e leigos combonianos – decidiu fazer um estudo sobre a sua presença entre os empobrecidos e sobre a eficácia da sua pastoral social no âmbito da Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC). O objectivo primordial da pesquisa era verificar até que ponto a pastoral social comboniana tem contribuído para a transformação social das comunidades e dos povos com os quais trabalha. Neste sentido, fez-se um mapeamento das suas principais actividades ou projectos sociais no mundo, desde a perspectiva do novo paradigma missionário que, cada vez mais, se alicerça numa visão ministerial. Aqui, publicamos uma primeira reflexão, tendo em conta os indicadores mais relevantes dos 205 projectos até agora registados e analisados.

Compromisso social da Família Comboniana
Um contributo para a transformação social das comunidades no meio das quais trabalha

Centro Social Polivalente da Paróquia de Santa Cruz, em Nampula, iniciado pelos Missionários Combonianos e as Irmãs de São João Baptista e de Maria Rainha.

A Família Comboniana (FC) enveredou, há já vários anos, por um percurso missionário em comunhão com os movimentos populares e sociais, empenhados na regeneração de um mundo no qual o grito dos empobrecidos e da própria Terra levanta o véu sobre a sua insustentabilidade socioeconómica e ambiental.

É desde 2007 que a FC participa, activamente, no Fórum Social Mundial, que se organiza, em princípio, de dois em dois anos e em diferentes cidades do mundo. Na mesma ocasião, tem-se organizado também um Fórum Comboniano, com o objectivo de promover uma reflexão teológica e carismática a partir das realidades sociais nas quais os missionários e as missionárias estão inseridos.

Em 2018, publicou-se um livro, intitulado “Sede a mudança que quereis ver no mundo”, uma obra que documenta o percurso feito – de 2007 a 2018 – e reflecte sobre os desafios da missão. Em Maio de 2020, seguiu-se um segundo volume, desta vez intitulado “Somos missão: testemunhos de ministerialidade social na Família comboniana”, no qual se apresenta a imersão da missão comboniana na realidade da vida, nos vários contextos culturais e sociais, e se exalta a originalidade e vitalidade do carisma comboniano no serviço ministerial com abordagens, métodos, dinâmicas e meios variados.

Mapeamento dos ministérios sociais da Família Comboniana no mundo

Para dar continuidade a este processo de acção-reflexão, decidiu-se fazer um mapeamento dos ministérios sociais da FC no mundo, com três objectivos: avaliar a significatibilidade do ministério social comboniano; fazer emergir como a FC vive a ministerialidade neste tempo de transição epocal face a um novo paradigma de missão emergente; e promover um percurso sinodal.

Nesta primeira fase do mapeamento, foram recolhidas, documentadas e analisadas 205 experiências de ministério especificamente social. Esta quantidade excepcional de experiências, embora seja ainda apenas uma parte, dá-nos já a possibilidade de ter uma percepção real sobre o que se está a fazer e qual o seu impacto. Pela primeira vez, é possível ter-se uma visão global empírica sobre a dimensão social da pastoral da FC, baseada em dados concretos e sistemáticos sem precedentes, e fazer-se um estudo comparativo, cruzando os dados obtidos. Contudo, este deve ser considerado apenas o início de um longo processo. Isto porque há ainda muitas outras experiências que poderão vir a ser registadas, documentadas e, posteriormente, analisadas. Portanto, este mapeamento pode continuar a ser enriquecido não só com novas experiências, mas também com a actualização contínua das experiências já documentadas.

Analisando o banco de dados das 205 experiências em curso, ajudados por uma aplicação web, podemos tecer algumas considerações, que a seguir passamos a expor.

Centro Social Polivalente da Paróquia de Santa Cruz, em Nampula, iniciado pelos Missionários Combonianos e as Irmãs de São João Baptista e de Maria Rainha

Considerações gerais sobre os dados obtidos

Uma primeira consideração diz respeito à abordagem do ministério social em si mesmo. Do ponto de vista histórico, a práxis social da Igreja conjugou-se entre dois eixos: por um lado, o serviço aos últimos e aos excluídos (também chamado serviço directo), que, por sua vez, se desdobra em duas direcções, ou seja, as obras de misericórdia e a promoção humana; e, por outro lado, ainda a justiça e paz (ou acção social), uma dimensão profética, baseada seja na denúncia, seja na formação/conscientização de agentes de transformação, seja na promoção de alternativas estruturais.

Como tendência, resulta que o serviço directo entre os mais vulneráveis e empobrecidos prevalece sobre a dimensão pastoral no âmbito da Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC). Em particular, o aspecto que aparece mais débil é o da denúncia aberta das injustiças. Uma possível explicação para esta debilidade é o facto de alguns missionários e missionárias trabalharem em países onde vigoram regimes ditatoriais e opressores, o que requer dos mesmos uma singular prudência na denúncia das violações sistemáticas dos direitos humanos e das mais flagrantes injustiças estruturais. Apesar disso, nota-se um esforço por parte dos mesmos missionários e missionárias em encontrar um ou outro tipo de alternativa, menos frontal, o que revela, desde já, a opção deliberada contra toda a espécie de injustiças e opressões.

Na prática, o serviço directo vem apresentado como estruturalmente integrado nos ministérios sociais, enquanto a justiça e paz (JPIC) ainda não, pelo menos de forma evidente, apesar das várias actividades registadas neste âmbito. Contudo, evitem-se quaisquer interpretações apressadas: estes são valores médios que descrevem a realidade como um todo, e não cada uma das experiências singulares no seu contexto. Sendo assim, seria necessário analisar caso a caso. No entanto, o conhecimento destes valores médios é muito útil, porque nos ajuda a compreender as tendências e as prioridades actuais, numa abordagem global, do desempenho da ministerialidade social a nível de FC.

Em África, em particular, a prevalência do serviço directo é ligeiramente mais evidente – por exemplo, nas áreas da Educação e do Desenvolvimento Humano –, enquanto na América e na Europa, se verifica um maior equilíbrio entre o serviço directo e a justiça e paz. Isto pode depender seja do contexto – em geral, em África, não só as necessidades básicas são maiores e mais urgentes, como também o acesso aos serviços básicos é mais limitado –, seja da história ou tradição missionária do próprio continente. No que diz respeito à Ásia, a presença da FC é ainda numericamente reduzida, pelo que é prematuro tirar conclusões particulares.

Uma segunda consideração, que emerge dos dados do mapeamento, é a imagem gráfica dos sectores ministeriais em que a FC está envolvida. Em comunhão com o Magistério e a práxis social da Igreja, emergem dois sectores que não estão ligados a áreas de serviço, mas sim a processos de transformação social, a saber, o Desenvolvimento humano integral e a JPIC.

No sector do Desenvolvimento humano integral, por exemplo, encontramos o socorro (relief), o desenvolvimento socioeconómico, a dimensão da transformação social, ou seja, a mudança estrutural através da boa governance e advocacy. Além disso, a formação de líderes locais – uma característica muito peculiar do carisma comboniano – aparece como uma das importantes prioridades da pastoral social.

Na área de JPIC, encontramos tipos diversos de engagement como, por exemplo, a nível de direitos humanos, ecologia e ambiente, paz e reconciliação, justiça social e inclusão, diálogo inter-religioso e intercultural, sempre com o objectivo de se criar mais fraternidade e construir um mundo mais justo.

Nesta infografia, apresentamos os compromissos sociais da Família Comboniana no continente africano, divididos em quatro sectores: Saúde, JPIC, Educação e Desenvolvimento. No sector da Saúde (32 projectos): hospitais e centros de saúde (15), saúde preventiva sobre o território (13), reabilitação (2), psicologia mental (2). Na área da Justiça, Paz e Integridade da Criação (107 projectos): direitos humanos (40), ecologia e ambiente (5), paz e reconciliação (22), justiça social e inclusão (27), diálogo interreligioso (13). No domínio da Educação (125 projectos): primária (37), secundária (12), terciário ou superior (12), informal (54), pastoral juvenil (10). Na área do Desenvolvimento humano integral (125 projectos): socorro/relief (15), desenvolvimento socioeconómico (73), governance/advocacy (6), formação de líderes (31)

Outras considerações sobre os dados obtidos

Depois de ter verificado e analisado as tendências globais, detectadas nos dados do mapeamento dos ministérios sociais da FC, entrevemos ainda outros indicadores relevantes que caracterizam a missão comboniana desde as suas origens.

Em primeiro lugar, resulta evidente a proximidade de vida dos missionários e missionárias entre os mais pobres e excluídos, fazendo causa comum com eles. Não em sentido paternalista, mas numa óptica de serviço que faz dos destinatários os protagonistas do seu próprio caminho de regeneração, como prova também o recorrente esforço dos missionários e missionárias em promover a participação e o empowerment das pessoas e das comunidades nos seus projectos e actividades. Um indicador chave desta atitude é a inserção, vivida em contextos e modalidades diferentes tais como, por exemplo: entre os grupos humanos mais excluídos, as comunidades desfavorecidas e marginalizadas, e em contextos sócio-culturais particulares, nos quais a comunidade cristã não é somente uma minoria, mas também sujeita a várias restrições, como é o caso nos países de predominância islâmica.

Em segundo lugar, chamam-nos a atenção a vitalidade e a articulação da colaboração ministerial. Na verdade, as experiências recolhidas mostram como a evangelização é tanto mais fecunda quanto mais se faz em comunidade – não individualmente –, se insere no tecido social e eclesial, e se age em estreita relação com a Igreja local, tendo em conta os diversos contextos e realidades. É também relevante a densa rede de cooperação da FC com outros actores da sociedade civil, mesmo fora das fronteiras da própria Igreja.

Em terceiro lugar, é notável o papel central da espiritualidade e da identidade eclesial no ministério social comboniano. Isto vem confirmado na descrição das actividades de acompanhamento espiritual e na preocupação séria pela transformação da realidade social, na óptica do Reino de Deus. Uma maneira de proceder que se torna fundamental no processo de edificação de um “povo” (cfr. Fratelli tutti e Evangelii gaudium). Neste sentido, a dimensão social e a dimensão espiritual da pastoral são consideradas indissociáveis e vividas como um todo interligado.

Em quarto lugar, a dimensão da Educação emerge de modo claro, o que significa que, em termos quantitativos, se lhe dá uma importância proeminente, seguindo, sem dúvida alguma, a mesma visão missionária de São Daniel Comboni.

Se a missão requer, hoje, uma revolução cultural, esta ênfase no campo da Educação constitui uma condição importante para a transformação social. A importância a dar à Educação confirma-se na iniciativa do Pacto Educativo Global, promovida pelo Papa Francisco, que alerta para a necessidade de uma transformação social que envolva a consciência das pessoas e dos povos, tendo em conta que a raiz da insustentabilidade do mundo de hoje reside numa visão do mundo que perdeu o sentido autêntico da humanidade e da vida.

P. Arlindo Ferreira Pinto na Faculdade de Educação e Comunicação, da Universidade Católica de Moçambique, em Nampula, onde trabalhou 13 anos (1997 – 2010) como capelão, docente, e responsável pelo Departamento de Comunicação.

Áreas e desafios actuais a ter em consideração

Apesar de tudo quanto já se está a realizar, identificamos também algumas áreas que poderiam vir a ser ainda mais exploradas e alguns desafios a ter em conta, se considerados como oportunidades de presença profética em resposta aos sinais dos tempos. É o caso das actividades e dos projectos relacionados, por exemplo, com a justiça social e ambiental, a reconciliação e a promoção da paz, que embora apareçam de modo significativo em algumas das experiências recolhidas, ainda não são consideradas, em geral, como eixo transversal da pastoral social. Hoje, a preocupação social pela ecologia e o ambiente requer um maior interesse e dedicação por parte dos missionários, no sentido de promover uma nova economia sustentável e equitativa. De forma análoga, o diálogo inter-religioso e intercultural, que desempenham um papel importante sobretudo nos ministérios sociais em contexto islâmico ou de pluralismo religioso, poderiam ser quantitativamente mais promovidos em outros contextos e em outras áreas da pastoral.

Conclusão

Tendo presente toda a documentação destes 205 projectos e experiências pastorais em curso, agora disponíveis também online, poder-se-á fazer uma reflexão ainda mais detalhada e aprofundada, cruzando os dados registados e construindo elos de ligação entre as iniciativas ou experiências similares. Este tipo de análise permitirá construir percursos que conduzam à elaboração de práticas pastorais específicas tais como, por exemplo, as relacionadas com o ambiente, a reconciliação entre os povos, e a atenção às minorias.

Depois desta leitura atenta aos dados do mapeamento, podemos concluir que existem ainda alguns âmbitos da pastoral social aos quais se poderia dar maior atenção como Família Comboniana, nomeadamente no âmbito da denúncia, com o objectivo de desconstruir as estruturas de pecado, lesivas da dignidade humana, da justiça social e do bem comum.

De igual importância, poder-se-ia, também, aumentar a integração de algumas dimensões fundamentais na estrutura dos ministérios sociais tais como, por exemplo: a ecologia integral, a paz, a reconciliação, o diálogo inter-religioso e intercultural, a economia sustentável e equitativa, e o acompanhamento dos jovens.

Finalmente, queremos reafirmar a centralidade da dimensão da profecia, que, antes de mais, requer abertura, humildade e disponibilidade para nos deixarmos transformar a nós próprios. Uma profecia que se pode exprimir na cultura do encontro, na ternura, na compaixão, no fazer causa comum com os empobrecidos, no evangelizar como comunidade e no criar comunhão entre os ministérios. A dimensão profética é essencial para se chegar à transformação social, para fazer apressar a vinda do Reino de Deus, para dar maior visibilidade ao Ressuscitado que tudo regenera e a tudo e a todos quer dar vida em plenitude.

P. Arlindo Pinto, missionário comboniano

————————————————

Fontes:
Irmão Alberto Parise, “L’impegno sociale comboniano: una mappatura – per cambiare il mondo”; revista Nigrizia, Julho/Agosto de 2021, pp. 56-59.

Irmã Maria Teresa Ratti, Irmão Alberto Lamana, Irmão Alberto Parise; “Presentazione della Mappatura dei ministeri sociali nella Famiglia comboniana”, MCCJ Bulletin, n° 287, aprile 2021, pp. 45-76.

Para descarregar o Mapa que apresenta os detalhes de cada uma das 205 experiências registadas até agora, em língua italiana, clique aqui.

————————————————

Legenda das fotos:

Foto 1: Centro Social Polivalente da Paróquia de Santa Cruz, em Nampula (Moçambique), iniciado pelos Missionários Combonianos e as Irmãs de São João Baptista e de Maria Rainha.

Foto 2: Centro Social Polivalente da Paróquia de Santa Cruz, em Nampula (Moçambique), iniciado pelos Missionários Combonianos e as Irmãs de São João Baptista e de Maria Rainha.

Foto 3: Centro Social Polivalente da Paróquia de Santa Cruz, em Nampula (Moçambique), iniciado pelos Missionários Combonianos e as Irmãs de São João Baptista e de Maria Rainha.

Foto 4: Infográfico: Nesta infografia, apresentamos os compromissos sociais da Família Comboniana no continente africano, divididos em quatro sectores: Saúde, JPIC, Educação e Desenvolvimento. No sector da Saúde (32 projectos): hospitais e centros de saúde (15), saúde preventiva sobre o território (13), reabilitação (2), psicologia mental (2). Na área da Justiça, Paz e Integridade da Criação (107 projectos): direitos humanos (40), ecologia e ambiente (5), paz e reconciliação (22), justiça social e inclusão (27), diálogo interreligioso (13). No domínio da Educação (125 projectos): primária (37), secundária (12), terciário ou superior (12), informal (54), pastoral juvenil (10). Na área do Desenvolvimento humano integral (125 projectos): socorro/relief (15), desenvolvimento socioeconómico (73), governance/advocacy (6), formação de líderes (31).

Foto 5: P. Arlindo Ferreira Pinto, comboniano, na Faculdade de Educação e Comunicação, da Universidade Católica de Moçambique, em Nampula, onde trabalhou 13 anos (1997 – 2010) como capelão, docente, e coordenador do Departamento de Comunicação.

Um lugar chamado missão

Este é o “episódio zero” do #PodcastMissionário da série de textos do livro “Um lugar chamado missão”, crônicas de viagem do pe. Fernando Domingues, missionário comboniano, publicado pela Editora Além-mar (Portugal).

Hoje publicamos o #Prefácio que abre o livro, escrito pelo ir. Bernardino Frutuoso, diretor da revista Além-mar, que nos traz uma breve e profunda reflexão sobre a natureza missionária da Igreja, e como o Papa Francisco destaca isso na exortação apostólica “A alegria do Evangelho”!

De hoje em diante, a cada segunda-feira, durante os meses de Agosto a Outubro, publicaremos um dos textos da partilha missionária deste livro.

Não perca o próximo! Inscreva-se no canal e ative as notificações para ser avisad@ destes e outros vídeos. Comente e compartilhe, para chegar a outras pessoas interessadas pela missão!

Leigos e leigas missionários combonianos do Brasil