Leigos Missionários Combonianos

Projeto “sementes” atende famílias vítimas do ciclone Gombe no norte de Moçambique

LMC Carapira

Desde março quando o poderoso ciclone Gombe atingiu Carapira no norte de Moçambique, destruindo casas e machambas. Nós LMC vimos trabalhando para amenizar o sofrimento da população. Sempre em parceria com amigos e pessoas de bom coração.

Com a ajuda recebida do Brasil foi possível realizar pequenos projetos. Entre eles o projeto sementes.

Nesta quarta feira 23 de novembro demos início a primeira fase deste projeto, que consiste na entrega de 5 kg de milho e 3 kg de feijão para o plantio, a famílias mais vulneráveis.

As famílias beneficiadas têm o compromisso de na colheita devolver a mesma quantidade recebida para que possamos dar continuidade ao projeto.

A Paroquia de Carapira é composta por 94 comunidades divididas em 5 regiões com 22 zonas. Optamos por fazer a entrega em cada zona para facilitar a acesso das famílias.

A segunda fase será dia 29 do corrente mês. E a terceira ao inicio de dezembro.

Neste projeto são mais de 300 famílias contempladas.

Em nome das famílias e do povo de Carapira, agradeço a todos que generosamente doaram um pouco do que tem para ajudar quem tem menos ainda.

Deus abençoe a todos.

LMC Carapira

Educação do campo para o campo

LMC Brasil

É tempo de mais uma assembleia da Casa Familiar Rural, associação formada por país, ex-alunos e pessoas que acreditam nesta proposta. A família comboniana presente em Açailândia faz parte desse projeto, estando envolvidos diretamente Dida e Xoán, Liliana e Flávio e pe. Joseph.

A casa oferece o curso de técnico em agropecuária com ensino médio, com duração de 3 anos através da pedagogia da alternância.

Tem uma canção que diz: “Não vou sair do campo pra poder ir pra escola. A educação do campo é direito, e não esmola.”

O objetivo deste espaço é exatamente este! Capacitando os jovens do campo a melhorar a rentabilidade da propriedade familiar, reduzimos o êxodo rural e promovemos a agricultura familiar, inserindo também técnicas agroecológicas.

A escola atende alunos de Açailândia, municípios vizinhos e também de outros mais distantes, chegando a ter alunos de 3 estados diferentes (Maranhão, Pará e Tocantins).

No debate sobre os desafios enfrentados pela escola e que envolvem custos financeiros, uma das mães presentes ressaltou: “Nós somos uma associação, podemos colaborar e com o pouco de cada um, conseguiremos o necessário.”

E assim vamos semeando na construção coletiva a busca de condições melhores para os camponeses e camponesas, e com isso gerar uma semente de um mundo melhor.

LMC Brasil

Fazer causa comum com os pobres e com a casa comum

Encuentro Amazonia

Carta do Encontro Comboniano de Ecologia Integral

Encuentro Amazonia

Cerca de trinta membros da Família Comboniana (LMC, Seculares, Combonianas e Combonianos, entre os quais três provinciais) provenientes da África, América e Europa, nos reunimos de 27 de julho a 03 de agosto de 2022, em Belém do Pará, Brasil, por ocasião do X Fórum Social Pan-Amazônico (X FOSPA) e do Encontro Comboniano de Ecologia Integral.

Abrimos os ouvidos, corações e mentes aos gemidos da Mãe Terra, dos povos amazônicos e das comunidades que acompanhamos, que clamam pela regeneração completa das filhas e filhos do Deus da Vida (Cf. Rom 8,19-23), presente em toda a sua Criação.

Fizemos isso em continuidade com a longa caminhada dos Fóruns Combonianos e do mapeamento da ministerialidade social em nossa Família Comboniana e missão.

Somos inspirados pela mística dos povos originários e sua forte interligação com os elementos primários do cosmos, com as águas, os rios, o ar, as florestas, a terra e todos os seres.

Através deles, Jesus de Nazaré continua nos convidando a “contemplar os pássaros do céu e os lírios do campo” (Cf. Mt 6,26-28) a fim de aprender e assumir juntos o Bem Viver.

A partir da ESCUTA atenta, respeitosa e compassiva da realidade de muitos povos:

1. CONSTATAMOS que a crise climática, socioambiental e política, derivada do modelo econômico dominante e insustentável, que separa, exclui e mata, coloca em sério risco a sobrevivência humana e a vida plena de toda a Criação, nos territórios onde vivemos nossa vocação e missão a serviço do Reino.

São os povos indígenas, as comunidades tradicionais, as mulheres e os jovens que ainda alimentam a esperança, de sua resistência, em defesa da Amazônia!

2. COMPREENDEMOS que a gravidade da situação exige urgentemente que a Igreja e nossos Institutos desencadeiem processos de conversão ecológica.

Sentimos que é preciso:

  • rever e desaprender muitos de nossos conceitos e experiências em relação a Deus e à Natureza, entre homens e mulheres, sobre inculturação, práticas pastorais e liturgia;
  • integrar em nossa ação missionária a defesa dos corpos daqueles que lutam pelo respeito ao meio ambiente e os territórios onde estamos presentes;
  • cultivar e compartilhar a ecoespiritualidade, as releituras bíblicas e a ligação fé e vida;
  • adotar uma metodologia missionária que nos permita uma maior conexão e uma imersão efetiva nos valores, línguas, culturas e sacralidade dos povos e territórios com os quais nos relacionamos;
  • revisão e correção em nossos projetos e estruturas, estilos de vida e consumo incompatíveis com a sobriedade ecológica e evangélica;
  • investir em treinamentos básicos e contínuos que integrem, na teoria e na prática, os princípios da Ecologia Integral;
  • informar e incentivar as Igrejas locais e nossa Família Comboniana sobre os eventos, meios e processos que nos ajudem a assumir e aprofundar a experiência da sinodalidade e da ministerialidade social em uma chave ecológica;
  • fortalecer a solidariedade, a participação, o acompanhamento e o trabalho em rede com os povos indígenas, leigos, congregações, movimentos sociais e órgãos intereclesiais e extra eclesiais.

3. PROPOMOS aos coordenadores de nossos Institutos, aos conselhos das circunscrições de todos os continentes, aos responsáveis pelos setores e a todos os membros da nossa Família Comboniana:

  • assumir como inspiração comum a adoção do Pacto Comboniano para a Casa Comum e, como eixo transversal de toda a nossa atividade missionária e presença, a Ecologia Integral;
  • promover a troca permanente de reflexões, aprendizados e práticas entre os membros da Família Comboniana;
  • troca de pessoal entre comunidades e circunscrições que atuam no mesmo território;
  • qualificar nossos processos de formação com pesquisa, compartilhamento de metodologias de intervenção e transformação social e a definição e integração teórico-prática da Ecologia Integral em sintonia com a Laudato Si’ e a Querida Amazônia de Papa Francisco;
  • participar da discussão e elaboração de planos pastorais em dioceses e paróquias que assumam os princípios da Ecologia Integral;
  • promover nossa qualificação e participação no âmbito da advocacy e decisão política em defesa da Casa Comum;
  • apoiar e apostar nos mecanismos e práticas da economia inclusiva;
  • acolher e defender pessoas em risco ou ameaçadas por causa de suas lutas.

4. ASSUMIMOS, como participantes deste Encontro de Família Comboniana e desta rica experiência de escuta, o compromisso com:

  • divulgar e apoiar a Declaração Pan-Amazônica de Belém, que integra os Saberes e Sentimentos compartilhados no X Fórum Social Pan-Amazônico (X FOSPA);
  • dar continuidade à reflexão e ao compartilhamento das intuições que surgiram nos dias de encontro;
  • traduzir e viver, nos diversos contextos de nossa missão, a inspiração carismática de Comboni (Regenerar a África com a África) e o slogan “Amazoniza-te”, que repercutiu fortemente entre nós nesses dias, sempre respeitando e promovendo o protagonismo dos povos originários.

5. CONFIAMOS todo esse caminho que queremos percorrer à intercessão e proteção dos mártires da Amazônia que nos encorajam ao radicalismo e fidelidade no seguimento a Jesus de Nazaré e na vivência do nosso carisma.

Do fluir da vida às margens do Rio Guamá, em Belém do Pará, 3 de agosto de 2022.

Encuentro Amazonia

Os participantes e as participantes do Encontro Comboniano de Ecologia Integral



Caros amigos da missão em Moçambique

LMC Mozambique

Já se passaram seis meses da nossa missão em Carapira, no norte de Moçambique. Gostaríamos de conversar com você sobre como é nossa vida e o que fazemos.

Nossa igreja paroquial, uma pretensa catedral

No dia 1º de março conhecemos Carapira nosso local de trabalho e missão. Há muito tempo, estava previsto que esta vila se tornasse a sede da diocese, pela construção de uma igreja de dimensões impressionantes. Além da pertença catedral, há também o Instituto de Tecnologia Industrial, fundado pelos combonianos que com sua reputação atrai estudantes de lugares localizados até 150 km de distância. As nossas responsabilidades dividem-se entre o trabalho no instituto (estamos envolvidos no internato, secretariado, produção, administração, parte agrícola, biblioteca e sala de informática) e na paróquia (somos membros do conselho da infância e juventude, vocações, educação, Caritas e assistência fraterna e justiça e paz). Além disso, preparamos encontros de formação para moçambicanos que desejam se tornar missionários leigos, preparamos adoração ou partilha com a Palavra de Deus, viajamos para comunidades distantes (na nossa paróquia existem até 93 grupos de cristãos, às vezes viajar de ida leva várias horas, e a Santa Missa, é celebrada apenas uma vez por ano) e temos nossas responsabilidades domésticas. Tem muito para fazer e isso e muito bom! Quanto mais responsabilidades, menos tempo desperdiçado, e o resto se torna um verdadeiro descanso.

Como mencionei, passamos por uma variedade de problemas. Foi apenas algumas semanas atrás que a construção de uma casa para nossa comunidade, há muito prometida, começou. Até então, moramos na casa dos missionários combonianos. Descobriu-se também que o conserto do carro, usado até agora por missionários leigos, é completamente inútil. Isso significa que até que tenhamos dinheiro para comprar um novo veículo, a liberdade do nosso trabalho será significativamente limitada.

Durante uma visita a uma das comunidades

Havia também problemas de saúde. No total, em nossa comunidade, já pegamos malária nove vezes. Três dias depois de chegar a Carapira, adoeci pela primeira vez. No começo me senti muito fraco, então fui à clínica local para fazer um teste rápido que confirmou minha doença. Além das ondas alternadas de calafrios e febre, não tive sintomas. Eu suava muito, e o colchão em que eu dormia parecia que alguém tinha derramado um balde de água nele. Depois de três dias tomando medicamentos, você se recupera, mas seu corpo está enfraquecido e você deve se poupar nos próximos dias. Esta doença era inevitável. A região em que vivemos tem muita malária. A missionária leiga polonesa anterior, Kasia, ficou doente aqui quinze vezes em dois anos.

Ilha de Moçambique – a antiga capital e Património Mundial da UNESCO

De 10 a 11 de março, a província de Nampula, onde moramos, foi atingida pelo poderoso ciclone Gombe, que matou pelo menos 61 pessoas e destruiu completamente 45.079 casas. O número de mortos relativamente baixo é resultado de avisos meteorológicos anteriores. Nas casas simples, construídas principalmente de barro e madeira, ninguém dormiu naquela noite, esperando ansiosamente a chegada do ciclone. A partir das 21h não havia eletricidade e sentia-se um vento forte, que ficava mais forte às duas da manhã. Foi na escuridão completa que árvores e telhados se quebraram, paredes desmoronaram e as pessoas aterrorizadas procuraram abrigo. Em Carapira, apenas alguns dos edifícios mais sólidos sobreviveram. Os meteorologistas observaram que a força do vento era de 190 km/h e que caía chuva forte, correspondendo a uma camada de água de 20 cm. A água penetrava pelas frestas das portas, janelas e teto inclusive em nossos quartos.

As casas foram completamente arruinadas

Embora estivéssemos observando o poder do elemento, não estávamos cientes da extensão da destruição por um longo tempo e a manhã transcorreu pacificamente. De repente, o padre Jaider, claramente abalado, veio correndo, dizendo: “Muitos prédios estão em ruínas. Há muitas mulheres com crianças pequenas perto da igreja. Eles estão tremendo de frio. Eles precisam de roupas secas. Temos que ajudá-los! Temos que encontrar abrigo para eles, eles não podem entrar na igreja. “Essas últimas palavras me surpreenderam muito. Eu entendo que a igreja é um espaço sagrado, mas a situação é crítica, por que eles não podem se refugiar lá?

Não deu tempo de fazer perguntas. Corremos para nossos quartos para procurar agasalhos. Jaquetas, moletons, calças, camisetas. Viemos em missão com malas pesadas, surgiu muito rapidamente a oportunidade de compartilhar com os mais necessitados. Com malhas cheias de roupas, corremos para o templo. Pessoas encharcadas batendo suas dentes, pequeninos tremendo de frio. Olhei para dentro. A água escorria de buracos no teto, e partes de pedra do teto caíram. Agora entendi por que essas pessoas não podiam se esconder no prédio da igreja …

Separamos as mulheres e os jovens crianças e corremos com elas para os prédios próximos da antiga escola. Havia água em todas as salas, mas pelo menos uma delas não tinha um espaço onde foi possível abriga-los. Distribuímos roupas, mães embrulhavam as crianças em nossas jaquetas, moletons, camisas e blusas … O tempo todo ouvíamos o som aterrorizante de chapa de metal dobrada, O vento era muito forte e ainda estava dobrando e quebrar a cobertura. Esta escola tornou-se um abrigo temporário para os mais desfavorecidos. Com um esforço considerável e a um custo, o telhado dos restantes dos quartos foi reparado. Trouxemos tapetes para eles dormirem. Conseguimos organizar duas refeições quentes por dia. Distribuímos plásticos de reparo de telhado, farinha e feijão para os mais necessitados

O ciclone arrasou as pontes e cortou muitas aldeias

Muitas árvores e um cacto velho de seis metros de comprimento caíram ao redor da igreja. Um grupo de adolescentes se ofereceu para ajudar a arrumar a área. Durante todo o dia quente trabalharam muito com machados e facões, carregando galhos pesados e cortando as mãos. Nao tínhamos almoço para servir a eles. O único alimento foi um copo de suco de limão e dois biscoitos.

Cinco meses se passaram desde que o ciclone passou no momento em que você leu este artigo. Estamos organizando uma segunda onda de ajuda. Arrecadamos mais de 2.300 euros no portal de crowfounding. Juntamente com as pessoas envolvidas na Junta de Freguesia da Caritas e Fraternidade, selecionámos os mais necessitados. Não foi uma tarefa fácil, pois a população local é em sua maioria muito pobre. Queríamos selecionar pessoas que são completamente incapazes de trabalhar e que não podem ajudar a si mesmas. Visitamos paralíticos, reumáticos, deficientes, pessoas com membros torcidos, doenças não diagnosticadas, doenças mentais e amputados… Eles ficaram muito agradecidos pelos poucos quilos de feijão e farinha, por um cobertor e um mosquiteiro, algumas chapas finas para consertar a cobertura das casas. Para quem consegue falar, pedimos uma gravação de agradecimento. Dirigindo-se as pessoas que vivem em terra desconhecida de “Polónia”, usando nomes polacos difíceis de pronunciar: “Piotr”, “Konrad”, “Mariusz”, “Pawel”, “Urszula”, “Wiesławie”, “Agnieszka” : ” obrigado pela ajuda “.

Senhoras Laurinda e Filomena com a ajuda recebida

As pessoas aqui vivem do cultivo no campo, pequenas machambas onde cultivam mandioca, de feijão, milho, em quantidades muito pequenas. Mata a fome por alguns meses, mas e uma dieta pobre. Carne ou peixe é um luxo. Eles trabalham muito, no calor e com ferramentas simples, envolvendo até crianças de vários anos para ajudar a sustentar sua família. Sua única chance de ganhar dinheiro é vender algumas de suas colheitas quando o campo estiver bem fértil. Em seguida, eles andam com sacos de 50 kg na cabeça por muitas horas até o mercado mais próximo. Em nossa aldeia, um menino de cinco anos engoliu uma moeda e foi necessária uma operação. Seus pais tiveram que vender seus leitões para conseguir dinheiro para uma viagem à cidade e propina para médicos. Chinelos simples ou uma camisa usada no mercado custam menos de 1 EUR. Apesar disso, nem todos podem pagar esse “excesso”. Aqueles que não podem pagar usam roupas rasgadas e gastas, muitos andam descalços por falta de calcados.

Também fornecemos uma chapa metálica para a construção de casas

A pobreza inimaginável, e a falta de perspectivas não quebram os moçambicanos. À noite eles brincam com música, aceitam humildemente a vida dura em toda a sua plenitude, reagem com alegria indisfarçável quando os cumprimentamos na língua macua local. Vale lembrar que outra geração de nossos bisavós estava em situação semelhante. Vários romances da virada dos séculos XIX e XX descreveram pobreza semelhante, o risco constante de fome, analfabetismo, superstição, dificuldade de acesso à saúde e dependência de pequenas parcelas. Hoje, sejamos gratos por nossas casas e apartamentos não terem desabado, por não enfrentarmos a fome, por sabermos ler e escrever, por podermos curar nossos entes queridos gratuitamente. Que esta gratidão sempre resulte em solidariedade para com nossos irmãos e irmãs oprimidos.

Regimar, Valmir e Bartek com os melhores cumprimentos

Celebrando os nossos talentos e experiências como LMC II

LMC Europa

Após uma merecida pausa para o almoço, retomámos os workshops com o testemunho missionário da comunidade portuguesa de Fetais. Os LMC portugueses decidiram no ano passado abrir uma presença comunitária na periferia de Lisboa. Num bairro com uma grande diversidade de nacionalidades onde se destacam migrantes de antigas colónias portuguesas em África, mas onde também há uma presença de latino-americanos e de pessoas de origem asiática. Tudo isto com os portugueses, muitos deles de etnia cigana.

Toda esta grande diversidade faz com que a vida ali seja muito diferente do que é habitual no país. Sem dúvida um cadinho de culturas que traz muita riqueza, mas por vezes com muitas dificuldades ligadas à sua condição de exclusão.

Esta experiência também deu origem a um debate sobre os direitos dos migrantes na União Europeia, a política comum que não facilita a imigração e como as exigências desiguais de um ou outro país podem também fazer com que as pessoas sejam mais desfavorecidas em função da legislação local.

Depois os LMC de Espanha ajudaram-nos a entrar numa apresentação muito elaborada sobre a importância da advocacia na nossa acção missionária na Europa. Tomar consciência de como o Papa Francisco nos encoraja a tomar uma posição política e uma responsabilidade cada vez maior como leigos, porque a política, como um serviço ao bem comum, marca definitivamente a vida das pessoas. Quão importante é a influência na alteração da legislação, a sensibilização das pessoas para as diferentes questões que afectam tanto como os cuidados com o planeta, as migrações, etc.

A apresentação foi acompanhada pela intervenção externa da Irmã Benjamine que nos falou do trabalho realizado por Talita Kum contra o tráfico de seres humanos a nível internacional. O irmão Simone falou-nos do trabalho da VIVAT Internacional e da pressão que estão a tentar exercer sobre a ONU e Genebra para mudar as políticas globais, e o Padre Lorenzo partilhou connosco a luta da rede Igreja e Mineira contra as actividades mineiras abusivas na América Latina. Todos eles reforçaram a responsabilidade e a necessidade de trabalho neste sector que temos na Europa.

A última sessão do dia esteve a cargo dos LMC de Itália, que apresentaram vários dos projectos que estão a desenvolver em diferentes partes do país. Desde o acolhimento de migrantes na comunidade de La Zattera em Palermo. Um lugar onde poder organizar as suas vidas, descansar e começar a integrar-se na nova sociedade.

Nesta linha, Venegono explicou os projectos que desenvolvem desde Combinazione, tais como os vários abrigos de refugiados que dirigem, onde actuam desde o primeiro acolhimento até um último recurso na estrada para uma vida independente, onde facilitam a saída dos recursos anteriores.

Também explicaram o trabalho que fazem para aumentar a sensibilização nas escolas. Levar as realidades do mundo às crianças e jovens, com projectos de sensibilização adaptados a diferentes grupos etários, por vezes com o testemunho de migrantes africanos. Ou mesmo com a publicação de um livro que ajuda a compreender a realidade de uma sociedade em mudança e o papel de todos nesta sociedade, especialmente os mais jovens.

Finalmente, Simone partilhou connosco a sua experiência de vida como LMC na comunidade religiosa comboniana de Castel Voturno e, em particular, o seu trabalho na associação Black and White que tenta oferecer alternativas educativas e de lazer aos filhos dos migrantes que chegaram a Itália e que no entanto nasceram em Itália e que nem sequer têm direito à cidadania italiana. Também como este recurso se torna o único local de lazer ou possibilidades de estudo para estes rapazes e raparigas devido às más condições do bairro onde eles vivem.

No final deste dia intenso pudemos ter um tempo de silêncio e oração juntos, organizado a partir de Espanha. Uma oração simples nas diferentes línguas, onde pudemos colocar aos pés do Senhor tudo o que partilhámos, as necessidades de todas as pessoas que servimos e a nossa vontade de continuar o caminho para onde quer que Ele nos chame.

Com o Pai-Nosso em cada uma das nossas línguas, encerramos este belo dia de partilha e sonho juntos a partir dos dons e serviços que cada um de nós desenvolve. Certamente que terá iluminado muitos para novas iniciativas e encorajado a todos sabendo que estamos juntos nesta causa comum que é o Reino de Deus.

Um grande abraço a todos vós e graças àqueles que participaram, pois com as vossas contribuições fizeram-nos crescer.

Alberto de la Portilla. Comité Central dos LMC