Leigos Missionários Combonianos

Daniel Comboni – Paixão pela Missão. Amor até o fim!

Comboni

Deixamos para vocês um novo vídeo sobre São Daniel Comboni.

Preparado pelos missionários combonianos no Brasil, ele nos fala sobre o Comboni histórico assim como os estímulos que a vida de nosso fundador continua a nos desafiar hoje.

São Daniel Comboni (1831-1881)

As mulheres, sinal visível do amor de Deus

Grupo manualidades Brasil
Grupo manualidades Brasil

Com muita alegria, escrevo hoje, lembrando que já temos 9 meses aqui no Brasil, e tem sido toda uma experiência de crescimento humano e espiritual. Todos os dias temos um encontro com o Senhor de maneiras tão inexplicáveis que sugerem um doce planejamento feito por Ele. Aos poucos nós descobrimos esses desejos que tinha São Daniel Comboni e que Deus ia colocando no coração dele, nós descobrimos a Divina Providência em cada um de nossos dias e saber que o que hoje estamos vivendo não é mais do que a vontade de Deus.

Grupo manualidades Brasil

Parte disso tem sido minha convivência com as mulheres, em diferentes grupos de artesanato. Na Casa Comboniana tenho conhecido cada uma delas, cada segunda-feira chegam entre 40 e 45 mulheres que estão aprendendo a fazer crochê, a pintar em pano, a fazer artesanato variado e agora estou ajudando a ensinar a desenhar à mão livre. Isto surgiu porque várias delas queriam fazer seus próprios desenhos para depois pintá-los nas telas. Ao início do ano não conseguia reconhecer a todas, agora eu identifico várias pelo nome e tenho conseguido fazer uma relação mais estreita com algumas delas. Foi muito interessante como no início só tinha 5 alunas, que com dedicação foram trabalhando. Depois de uns meses tive que deixar o curso porque na pintura precisavam apoio, mas ao finalizar o semestre se fez uma avaliação e muitas delas estavam mais interessadas em aprender a desenhar. Acho que foi uma grande conquista, porque agora tenho 24 mulheres que estão se esforçando para aprender a desenhar em liberdade, para mim é um sinal de confiança, o aprender a dar a cada uma seu lugar, cumprimentá-las segunda a segunda, estar atenta às necessidades delas, ir criando laços de confiança que são resumidos nessa vontade de estar juntas. Hoje eu me sinto muito feliz por este pequeno passo conseguido. Levou tempo e hoje compreendo mais o que dizem os missionários, que é preciso pelo menos um ano para conhecer a comunidade, em especial ganhar a confiança das pessoas. Também estou trabalhando com outro grupo de mulheres no Ipê Amarelo, que do mesmo jeito começamos 3 e agora somos 7. Temos feito velas, artesanato com jornal e agora começaremos com bordado em tecido. O que chamou muito minha atenção foi a resposta das mulheres da comunidade Santa Edwiges, um grupo que nasceu depois de uma missão de evangelização que fez nosso pároco, pe. Agostinho, para animar a comunidade. Agora já são 16 mulheres constantes que estão aprendendo a fazer crochê, depois vamos passar a fazer pintura e desenho.

O que impacta destas pequenas comunidades são as relações de amizade que vão se criando entre elas e o bem que faz para o desenvolvimento pessoal de cada uma, muitas delas com sofrimentos por problemas com os filhos, esposos e também no trabalho: o álcool e as drogas se fazem muito presentes nas vidas dessas famílias e o artesanato é o espaço que elas têm para se exprimir, para acalmar os impulsos e transformar as manias em arte. Esse artesanato também serve para elas como meio para ganhar um dinheiro extra, porque às vezes não é suficiente para viver o que recebem. Com certeza eu gostaria de ter um recurso extra para comprar materiais e ajudar mais, porque algumas têm a possibilidade de comprar, mas para outras é muito difícil dar uma pequena contribuição. Hoje eu me sinto mais perto delas, consigo compreender melhor a maneira de cada uma, das decisões delas, as alegrias e os sofrimentos, porque estamos vivendo no mesmo bairro, nas mesmas condições, com as mesmas influências e problemas sociais. Eu sei que no meio de tudo está a esperança, e ver que os rostos das mulheres se tornam alegres, animadas, saindo da depressão, encontrando dentro delas a criatividade e sentindo-se valorizadas e úteis, não tem comparação. Deus está presente sem dúvida, e me permite conhecê-lo desta maneira, em suas filhas escolhidas, as favoritas para quem Ele veio neste mundo.

Grupo manualidades Brasil

São mulheres corajosas que nadam contra a maré, no meio de uma sociedade que marginaliza e julga, mas que O Senhor faz resplandecer nos rostos delas a Sua luz.

A missão muda a vida, está mudando a minha e me faz ser mais compassiva com aquele que sofre e entender que em cada decisão tomada, seja boa ou errada, existe um porquê. Apenas vale a pena arrancar a pele e colocar a pele do outro para ter os mesmos sentimentos, os sentimentos de Cristo.

Um abraço caloroso e continuem orando por nós, para que nossa vida de família possa cumprir a vontade de Deus

Ana Cris, LMC

Semana vocacional e de animação missionária em Balsas, Brasil

LMC Balsas
Balsas

Alguns membros da Família Comboniana (padre, irmão, irmã e leigos do grupo de Espiritualidade Comboniana), sendo a maioria originalmente da diocese de Balsas, realizaram uma semana de animação missionária e vocacional em Balsas (MA) nas paróquias Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e de Santo Antônio. Foram várias celebrações com lindos testemunhos, momentos vividos num clima de família e paixão missionária. A atividade foi realizada também em vista da Grande Semana Missionária paroquial que acontecerá em novembro na mesma cidade e marcou ainda a celebração dos 25 anos de vida consagrada da Ir. Maria do Socorro Ribeiro, missionária comboniana de Balsas, que foi celebrada na Festa da Assunção de Maria e dia da Vida Religiosa e Consagrada. A semana missionária e vocacional foi uma iniciativa da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e realizada com o empenho e participação do Grupo de Espiritualidade Comboniana de Balsas e alguns Religiosos e missionários convidados.

P Raimundo Rocha, mccj

Choramos com a Mãe Terra lágrimas de lama e sangue.

Iglesia y Mineria

Não à impunidade!

Iglesia y MineriaA rede Igrejas e Mineração chora junto às vítimas do crime ambiental de Brumadinho, Minas Gerais (Brasil).

Estamos escrevendo hoje desde esta comunidade violada, que bem conhecemos e voltamos a visitar, após termos celebrado com ela várias vezes, na caminhada, a vida e a resistência frente à expansão da mineração.

Escrevemos também desde as muitas comunidades latino-americanas atingidas pela violência arrogante do extrativismo, hoje abraçadas silenciosamente à pequena Brumadinho, em lágrimas.

Estamos solidários às famílias das vítimas e às comunidades de fé, que terão o árduo desafio de reconstruir a esperança. Unimo-nos também à Arquidiocese de Belo Horizonte, que, com as palavras do Evangelho, definiu a tragédia como “abominação da desolação”, referindo-se aos “absurdos nascidos das ganâncias e descasos com o outro, com a verdade e com o bem de todos”.

Seguimos acompanhando e assessorando as igrejas empenhadas nos territórios feridos pela mineração e em todos os conflitos abertos entre empresas extrativas e comunidades (só no Brasil há mais de 70 Dioceses onde foram mapeados conflitos).

A impunidade consolida o crime

Iglesia y Mineria

A empresa Vale S.A., junto à BHP Billiton, é responsável por 19 mortes e pela contaminação da bacia do Rio Doce, em 05 de novembro de 2015. A repetição do mesmo dano, três anos depois, com um rastro de mortes e destruição bem mais grave, é a confirmação de sua incapacidade de gestão e prevenção dos danos, de descaso e de conduta criminal.

Esta responsabilidade envolve também o Estado, que licencia os projetos extrativos e deveria monitorá-los para garantir a segurança e a vida digna das comunidades e do meio ambiente.

A responsabilidade do Estado é dupla, porque a impunidade e a falta de reparações completas e suficientes para as vítimas do crime de Mariana foi uma das condições principais que permitiram o novo crime de Brumadinho.

Portas giratórias

Iglesia y MineriaDe braços dados, o capital das mineradoras e o poder político facilitam a instalação ou ampliação de grandes projetos extrativos, minimizando as condicionantes e as regras de licenciamento dos mesmos. A própria mina Córrego do Feijão, cuja barragem de rejeitos estourou, obteve em dezembro de 2018 licença ambiental para expansão de 88% de suas atividades. No Conselho de Políticas Ambientais do Estado de Minas, só o Fórum Nacional da Sociedade Civil na Gestão de Bacias Hidrográficas (Fonasc) votou contra esta expansão, denunciando mecanismos “insanos” para reduzir as exigências no licenciamento de empreendimentos de mineração de grande porte.

Não se podem denominar “acidentes ambientais” os desastres provocados por condutas irresponsáveis das empresas aliadas ao poder público.

Sociedade civil organizada mas não escutada

Desde 2011 a população de Brumadinho e da região manifesta-se de forma organizada contra a mina, seus impactos e ameaças. O FONASC, em dezembro de 2018, escreveu comunicação oficial ao Secretário Estadual de Meio Ambiente, pedindo a suspensão do licenciamento da mina Córrego do Feijão. A Articulação Internacional dos Atingidos e Atingidas pela Vale denunciou na Assembleia Geral dos Acionistas da Vale, em abril de 2018,

“o perigo do reiterado processo de redução de custos e despesas em suas operações”, fazendo explicita menção a diversas barragens de rejeitos.

Os responsáveis por estes crimes não podem alegar ou justificar desconhecimento dos riscos e ameaças. Ao contrário, em nome da ilusão do “progresso” e do lucro para muito poucos, há desqualificação sistemática das vozes dissonantes, dos que pedem cautela e cuidado, dos que identificam os riscos e exigem processos de licenciamento detalhados e escuta da população ameaçada, afetada ou atingida pelos projetos.

Teimosamente, fazemos ressoar as palavras de Papa Francisco na encíclica Laudato Si’: “no debate, devem ter um lugar privilegiado os moradores locais, aqueles mesmos que se interrogam sobre o que desejam para si e para os seus filhos e podem ter em consideração as finalidades que transcendem o interesse econômico imediato” (LS 183).

Flexibilizar até quebrar

Iglesia y Mineria

O Presidente recém eleito no Brasil, atendendo às pressões de quem financiou sua campanha, manifestou o plano de flexibilizar ao máximo o controle e licenciamento ambiental. Criticou a suposta “indústria da multa ambiental”; seu Governo esvaziou de atribuições a pasta do Meio Ambiente, suspendeu contratos com ONGs empenhadas em defesa do meio ambiente, extinguiu secretarias que trabalhavam para políticas públicas contra o aquecimento global.

Também os Governos anteriores facilitaram a expansão desregrada da mineração no País, promovendo o Plano Nacional de Mineração e reformulando, por decreto, o Marco Legal da Mineração.

Os acontecimentos recentes demonstram, violentamente, que estas políticas são um suicídio coletivo e uma ameaça à vida das futuras gerações.

Este modelo de crescimento é insustentável e letal; não se pode chantagear quem precisa de emprego para sobreviver em regiões controladas pela mineração, sem garantir ao mesmo tempo segurança, saúde e bem-estar social. Os problemas não se resolvem “apenas com o crescimento dos lucros das empresas ou dos indivíduos”. “Não é possível conciliar, a meio termo, o cuidado da natureza com o ganho financeiro, ou a preservação do meio ambiente com o progresso. Neste campo, os meio-termos são apenas um pequeno adiamento do colapso. Trata-se simplesmente de redefinir o progresso” (LS 190, 194).

Falsos diálogos

Frequentemente, as empresas e os governos apelam à mediação dos conflitos com as comunidades através do “diálogo”. Buscam, inclusive, a intermediação das igrejas, para oferecer a estes processos maior credibilidade.

Também institucionalmente tem-se investido em mediações extra-judiciais e termos de ajustamentos de conduta para tornar mais efetiva e rápida a reparação de danos e violações ambientais.

A falta de execução das mitigações e reparações, a leniência em prevenir novos desastres e a repetição de práticas irresponsáveis e criminosas confirmam: este tipo de de proposta não é um diálogo verdadeiro. É uma estratégia das empresas para seduzir a opinião pública, garantindo uma espécie de licença social para poluir, reduzir a resistência popular e iludir

que o grande capital pode se converter aos valores da sustentabilidade e do bem comum. Mais que neste “diálogo”, assimétrico e desrespeitoso, acreditamos nas regras democráticas de proteção ambiental e dos direitos das populações e em autoridades que efetivamente monitorem seu respeito e punam quem as violar. Apoiamos um Tratado Vinculante para Empresas e Direitos Humanos, em nível internacional, e na responsabilização judicial, eficaz,  rápida  e  consistente,  de  quem  aposta  na  impunidade  ou,  no  máximo,  na  leve incidência financeira de raras multas aplicadas.

Crime sócio-ambiental não é acidente!

Iglesia y MineriaDesde Brumadinho e desde América Latina, 26 de janeiro de 2019

Chegada da família LMC de Guatemala ao Brasil

LMC Brasil

LMC Brasil

Ousados pela fé e pela missão

Com muita alegria a comunidade Nossa Senhora Aparecida, na vila Ipê Amarelo, em Contagem, Estado de Minas Gerais, recebe a família que atravessou km e km para chegar ao Brasil e juntos com o povo brasileiro proclamarem o evangelho e dar testemunho que Jesus Cristo vive e reina.

A curiosidade é tamanha, ficaram admirados por tanta coragem para com quem recebe e sobretudo para eles que chegam com os quatro filhos.

Muitas perguntas dos dois lados! Que lindos, como descobriram o Ipê Amarelo, entendem o português, quantos dias ficam? O carisma comboniano e o sorriso das crianças e dos pais vão dando as respostas sem que ninguém precise traduzir, o coração e os olham falam, a fé, a coragem, o amor traduzem parte deste mistério missionário. Já no aeroporto, todos cansados, já brilhava o olhar! Fizemos uma longa caminhada de ônibus até Contagem, onde esperávamos padres Combonianos e um jovem senhor aqui da comunidade.

LMC Brasil

Três carros, ousadia mesmo, brincávamos pelo caminho que era uma carreata, só nos faltava buzinar feito loucos pela longa estrada até chegar na casa de missão.  O rosto com a expressão do cansaço, mas o sorriso esboçava a alegria da chegada.

Dois dias apenas em terras brasileiras e parece que há anos estão por aqui!

A coragem de arriscar envolve-os e aqui estão, já nesta semana iniciam as aulas de inculturação, português e tudo que a missão pede, aos poucos vão descobrindo os costumes do povo mineiro.

Sejam bem-vindos e juntos vamos seguindo os passos de Jesus missionário em terras de Minas.

São Daniel Comboni seja forte intercessor!

Amém

LMC Brasil
Lourdes, LMC Brasil