Leigos Missionários Combonianos

As mulheres, sinal visível do amor de Deus

Grupo manualidades Brasil
Grupo manualidades Brasil

Com muita alegria, escrevo hoje, lembrando que já temos 9 meses aqui no Brasil, e tem sido toda uma experiência de crescimento humano e espiritual. Todos os dias temos um encontro com o Senhor de maneiras tão inexplicáveis que sugerem um doce planejamento feito por Ele. Aos poucos nós descobrimos esses desejos que tinha São Daniel Comboni e que Deus ia colocando no coração dele, nós descobrimos a Divina Providência em cada um de nossos dias e saber que o que hoje estamos vivendo não é mais do que a vontade de Deus.

Grupo manualidades Brasil

Parte disso tem sido minha convivência com as mulheres, em diferentes grupos de artesanato. Na Casa Comboniana tenho conhecido cada uma delas, cada segunda-feira chegam entre 40 e 45 mulheres que estão aprendendo a fazer crochê, a pintar em pano, a fazer artesanato variado e agora estou ajudando a ensinar a desenhar à mão livre. Isto surgiu porque várias delas queriam fazer seus próprios desenhos para depois pintá-los nas telas. Ao início do ano não conseguia reconhecer a todas, agora eu identifico várias pelo nome e tenho conseguido fazer uma relação mais estreita com algumas delas. Foi muito interessante como no início só tinha 5 alunas, que com dedicação foram trabalhando. Depois de uns meses tive que deixar o curso porque na pintura precisavam apoio, mas ao finalizar o semestre se fez uma avaliação e muitas delas estavam mais interessadas em aprender a desenhar. Acho que foi uma grande conquista, porque agora tenho 24 mulheres que estão se esforçando para aprender a desenhar em liberdade, para mim é um sinal de confiança, o aprender a dar a cada uma seu lugar, cumprimentá-las segunda a segunda, estar atenta às necessidades delas, ir criando laços de confiança que são resumidos nessa vontade de estar juntas. Hoje eu me sinto muito feliz por este pequeno passo conseguido. Levou tempo e hoje compreendo mais o que dizem os missionários, que é preciso pelo menos um ano para conhecer a comunidade, em especial ganhar a confiança das pessoas. Também estou trabalhando com outro grupo de mulheres no Ipê Amarelo, que do mesmo jeito começamos 3 e agora somos 7. Temos feito velas, artesanato com jornal e agora começaremos com bordado em tecido. O que chamou muito minha atenção foi a resposta das mulheres da comunidade Santa Edwiges, um grupo que nasceu depois de uma missão de evangelização que fez nosso pároco, pe. Agostinho, para animar a comunidade. Agora já são 16 mulheres constantes que estão aprendendo a fazer crochê, depois vamos passar a fazer pintura e desenho.

O que impacta destas pequenas comunidades são as relações de amizade que vão se criando entre elas e o bem que faz para o desenvolvimento pessoal de cada uma, muitas delas com sofrimentos por problemas com os filhos, esposos e também no trabalho: o álcool e as drogas se fazem muito presentes nas vidas dessas famílias e o artesanato é o espaço que elas têm para se exprimir, para acalmar os impulsos e transformar as manias em arte. Esse artesanato também serve para elas como meio para ganhar um dinheiro extra, porque às vezes não é suficiente para viver o que recebem. Com certeza eu gostaria de ter um recurso extra para comprar materiais e ajudar mais, porque algumas têm a possibilidade de comprar, mas para outras é muito difícil dar uma pequena contribuição. Hoje eu me sinto mais perto delas, consigo compreender melhor a maneira de cada uma, das decisões delas, as alegrias e os sofrimentos, porque estamos vivendo no mesmo bairro, nas mesmas condições, com as mesmas influências e problemas sociais. Eu sei que no meio de tudo está a esperança, e ver que os rostos das mulheres se tornam alegres, animadas, saindo da depressão, encontrando dentro delas a criatividade e sentindo-se valorizadas e úteis, não tem comparação. Deus está presente sem dúvida, e me permite conhecê-lo desta maneira, em suas filhas escolhidas, as favoritas para quem Ele veio neste mundo.

Grupo manualidades Brasil

São mulheres corajosas que nadam contra a maré, no meio de uma sociedade que marginaliza e julga, mas que O Senhor faz resplandecer nos rostos delas a Sua luz.

A missão muda a vida, está mudando a minha e me faz ser mais compassiva com aquele que sofre e entender que em cada decisão tomada, seja boa ou errada, existe um porquê. Apenas vale a pena arrancar a pele e colocar a pele do outro para ter os mesmos sentimentos, os sentimentos de Cristo.

Um abraço caloroso e continuem orando por nós, para que nossa vida de família possa cumprir a vontade de Deus

Ana Cris, LMC

Chegada da família LMC de Guatemala ao Brasil

LMC Brasil

LMC Brasil

Ousados pela fé e pela missão

Com muita alegria a comunidade Nossa Senhora Aparecida, na vila Ipê Amarelo, em Contagem, Estado de Minas Gerais, recebe a família que atravessou km e km para chegar ao Brasil e juntos com o povo brasileiro proclamarem o evangelho e dar testemunho que Jesus Cristo vive e reina.

A curiosidade é tamanha, ficaram admirados por tanta coragem para com quem recebe e sobretudo para eles que chegam com os quatro filhos.

Muitas perguntas dos dois lados! Que lindos, como descobriram o Ipê Amarelo, entendem o português, quantos dias ficam? O carisma comboniano e o sorriso das crianças e dos pais vão dando as respostas sem que ninguém precise traduzir, o coração e os olham falam, a fé, a coragem, o amor traduzem parte deste mistério missionário. Já no aeroporto, todos cansados, já brilhava o olhar! Fizemos uma longa caminhada de ônibus até Contagem, onde esperávamos padres Combonianos e um jovem senhor aqui da comunidade.

LMC Brasil

Três carros, ousadia mesmo, brincávamos pelo caminho que era uma carreata, só nos faltava buzinar feito loucos pela longa estrada até chegar na casa de missão.  O rosto com a expressão do cansaço, mas o sorriso esboçava a alegria da chegada.

Dois dias apenas em terras brasileiras e parece que há anos estão por aqui!

A coragem de arriscar envolve-os e aqui estão, já nesta semana iniciam as aulas de inculturação, português e tudo que a missão pede, aos poucos vão descobrindo os costumes do povo mineiro.

Sejam bem-vindos e juntos vamos seguindo os passos de Jesus missionário em terras de Minas.

São Daniel Comboni seja forte intercessor!

Amém

LMC Brasil
Lourdes, LMC Brasil

Assembleia dos MCCJ da província da América Central em Janeiro de 2017

asamblea 2017Na semana de 9 a 11 de Janeiro, os LMC da província da América Central, foram convidados a participar na assembleia provincial de Janeiro de 2017 que se realizou no município de San Lucas, departamento de Sacatepéquez, muito perto da cidade de Guatemala.

Segundo os documentos capitulares dos MCCJ, o XVII Capítulo Geral no n.44,14, são incentivadas novas formas de comunicação nas quais MCCJ, SMC, IMC e LMC, tendo por base a sua identidade, possam trabalhar juntos segundo o carisma de Comboni e a paixão pelo anúncio.

Assim, participámos 3 LMC’s (Carol de Rosales, Alejandro Camey e Lily Portillo) em toda a assembleia para programar com o nosso assessor, Ir. Humberto Rua, as diferentes atividades que levaremos a cabo durante os próximos 6 anos.

Como participámos no encontro LMC Continental no México, em Setembro de 2016, podíamos dar uma melhor ajuda na programação, segundo as iniciativas sugeridas, com uma visão laical.

Foi uma experiencia muito positiva que nos encheu do espirito do carisma Comboniano: sentimo-nos família. Houve momentos de formação, programação e de partilha

Damos Graças a Deus por esta atividade. Que pela interseção de São Daniel Comboni possamos todos anunciar Jesus, especialmente aos mais abandonados e desfavorecidos.

asamblea 2017Na assembleia participaram 24 sacerdotes, 2 irmãos, 3 leigos e 5 postulantes.

Conclusão da Assembleia LMC da América

LMC America

A nossa eucaristia da manhã foi presidida pelo Pe. Arlindo de uma forma única, revigorante para iniciar o dia. As atividades da manhã seguiram com um pequeno resumo de como o Comité Central e Continental funciona de acordo com os países e respetivos grupos. Alberto de la Portilla guiou-nos com uma explicação do processo e funções. Todos nos envolvemos num diálogo muito enriquecedor.

Na segunda parte da manhã reunimo-nos para debater aspetos importante de organização que foram tratados no encontro para concluir uma nova proposta Continental.

Em seguida foram eleitos, por unanimidade, os novos membros do comité Continental. Os dois novos membros eleitos foram a Marta do México e Mireya da Guatemala.

A tarefa seguinte foi aprovar as propostas trabalhadas nos dias anteriores tendo por base o documento de Guatemala. Estas propostas foram para aprovação dando origem aos documentos finais. Fizemos cautelosamente a revisão de cada proposta trabalhada e dialogada nos últimos dias em grupo. Isto levou-nos quase toda a manhã e tarde.

Depois que concluídos os trabalhos tirou-se a foto oficial de grupo, e finalizou-se o dia com uma oração

A nossa IV Assembleia Continental dos LMC da América foi concluída com uma festa onde teve Mariachis (música popular mexicana).

LMC America

P Valentin e Yessenia

Quarto dia da Assembleia Continental LMC da América

LMC America

Iniciámos a nossa manhã com a eucaristia, invocando São Daniel Comboni, para que, como LMC, consigamos viver e seguir o seu estilo de vida.

 

Começámos os trabalhos com alguns testemunhos missionários LMC. Carol e Minerva partilharam o trabalho que fazem em Mistecos, no México, descreveram as dificuldade, obstáculos limitações e frutos que ambas experimentaram e receberam. O seu trabalho na vila de Mistecos é acompanhá-los e estarem presentes no seu dia-a-dia. Ambas vivem e partilham as suas vidas com este povo, respeitando a sua cultura, trabalhando juntos sem excluir os valores culturais, religião e a forma como fazem as coisas.

Depois, tivemos formação em pastoral Indígena dirigida pelo professor Juan Manuel García. Fizemos trabalhos de grupo, refletindo e dialogando sobre o trabalho desta pastoral no méxico. Vários grupos concordaram com alguns pontos, tais como obstáculos, limitações e a noção da importância deste tipo de trabalho. O foco é que “O coração de Deus abre-se a quem o quer conhecer.” Estivemos toda a manhã com este professor que nos orientou relativamente à pastoral indígena, desafios e aprendizagem. Tivemos um diálogo muito enriquecedor que nos ajudou a conhecer melhor esta pastoral.

Na parte da tarde estiveram connosco dois psicólogos que nos passaram informações e conhecimentos sobre como comunicar mais eficazmente entre nós (LMC). Na formação foram utilizadas dinâmicas que enriqueceram a explicação, tal como a união e como utilizar a comunicação de forma mais eficaz, através de determinadas estratégias e métodos.

LMC AmericaFinalizámos as atividades com a exposição e adoração do Santíssimo Sacramento.

 (Valentín e Yessenia)