Leigos Missionários Combonianos

Missão na Terra Vermelha (Subir ao monte)

Saídas em comunidade – Pedro, David, Pe. Endrias e eu
[Excursiones en comunidad: Pedro, David, el padre Endrias y yo.]
Saídas em comunidade – Pedro, David, Pe. Endrias e eu

Entrar na nova cultura é uma viagem que requer dedicação, ir conhecendo de tudo um pouco. Não só ver o cinzento do painel, mas também, e sobretudo, contemplar as diversas cores do mesmo e pintar com mais força os rosas, os verdes, os azuis, os amarelos, os vermelhos,… É saber apreciar, como uma criança curiosa por descobrir este mundo e o outro, embevecida sobre o funcionamento das coisas. Sem juízos. Sempre de olhos novos. O que é muito difícil, principalmente quando já se é adulto, quando já se traz uma bagagem, vícios, opiniões sobre tudo e mais alguma coisa.

Entrar na nova cultura, a tão chamada e bendita inculturação, é também apreciar os momentos em que estamos na escola com os companheiros das aulas de amárico e outras línguas, os serões com a comunidade dos MCCJ (Missionários Combonianos do Sagrado Coração de Jesus), as orações em comunidade, as visitas a museus, a comida (que aqui é bastante diferente e quase sempre com um toque de berber, uma especiaria típica de cá, que a tudo dá o seu travo a picante), as saídas em comunidade para comer um gelado ou beber uma coca-cola (sim, aqui também há disso!).

Entrar na nova cultura, não é só beber do choque cultural que vos falava no último artigo, um choque que nos leva a descer a montanha. É também sentir a sede de encontrar Deus no meio de tudo isto e subir ao monte. Escutá-lo, orar cada dificuldade que vai surgindo. Como agora o faço – subo ao monte. Tivemos cerca de duas semanas de pausa das aulas de amárico (pois a escola entra em férias) que nos deram a possibilidade de ir uma semana a Benishangul-Gumuz, para onde iremos iniciar a missão em Setembro (Deus queira), e de uma semana de Exercícios Espirituais.

Pois é em Exercícios que me encontro. Um tempo que tem sido importante para mim, para me renovar, para subir ao monte e falar com Deus. Tem sido um tempo de rezar tudo o que vi em Benishangul-Gumuz.

E o que viste lá? Recordo como se fosse agora o dia em que fomos às vilas desta região, onde apenas habitam os Gumuz, para celebrar a catequese. Saímos de casa por volta dessas 16h30. Viagei na parte traseira da 4×4, ao ar livre, ainda que houvesse para mim um lugar cativo no seu interior, o que era mais seguro visto que a qualquer momento poderia começar a chover torrentes (o que é muito típico aqui nesta altura do ano, pois estamos na kremt gizê (traduzindo do amárico, estação das chuvas). Porém, preferi a visão do lado de fora por ser sempre mais original! A viagem do lado de fora também iria dar lugar à convivência com os catequistas Gumuz que iríamos recolher pelo caminho (mal eu imaginava que a traseira se iria encher deles). E assim foi: pelo caminho, rumo a uma das vilas Gumuz fomos recolhendo os muitos e jovens catequistas. Não tenho a certeza, mas na traseira da 4×4 poderíamos ser uns 16. Contemplava aquela juventude de catequistas. Falavam e riam imenso entre si. Falavam na sua língua, Gumuzinha (outra que terei que aprender), pelo que eu não percebia nada! Na minha cabeça construía histórias e frases em amárico para tentar conversar com eles. Eles também sabem falar amárico, porém nem todos os Gumuz o sabem. Por isso, estes são catequistas escolhidos pelos MCCJ por poderem ser uma ponte entre nós, missionários, e o povo Gumuz. Além de serem eles a dar as catequeses, são também eles que fazem a tradução amárico-gumuzinha, sendo os intermediários entre nós e o povo Gumuz.

Lá ganhei coragem e iniciei a conversa com um dos catequistas. Trocámos meia dúzia de frases. Senti amizade e o ausente olhar de que sou diferente. O povo Gumuz é um povo amigo. Diferente da reacção comum da parte de muitos outros Etíopes, que à nossa passagem nos chamam de Farengi (estrangeiro), os Gumuz olham para nós com um sorriso. Por eles somos vistos como amigos, como aqueles que se lembraram do seu povo e que os têm vindo a proteger. São bem negros, diferente do típico Etíope que por norma tem uma cor de pele mais castanho-leite. Também por isso, são um povo tão marginalizado, não sendo considerados por muitos a verdadeira “raça” de etíopes.

Catequista
Um dos catequistas, Gumuz, a preparar-se para a catequese

A determinada altura, os catequistas foram sendo distribuídos junto de diferentes casas. Com eles saímos da carrinha e fomos chamando crianças e jovens a participar nas catequeses. Um aperto de mão, um olhar nos olhos… como gostava de os olhar nos olhos! Muitos chamámos, mas nem todos vieram. Ainda vivem o medo de sair de suas casas, dada a situação que sucedeu em Junho (em que foram atacados pelo povo Amara). Ainda assim, posso-vos dizer que muitos foram os catequizandos que, no escuro daquele entardecer, encheram aquela casa feita de paus, onde celebrámos as várias catequeses.

O que vi e vivi naquela semana em Benishangul-Gumuz despertou em mim um duplo sentido de emoções. Entre ideias que surgiram de projetos a começar, surgiu também o medo, a sensação de incapacidade. Eis que esta semana de Exercícios foi tempo de renovar a confiança, a mesma que me fez dizer SIM, no dia do meu envio, como Maria, “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim a Tua Palavra”. Ao subir ao monte percebo que, efetivamente, não sou capaz de tamanha missão. Não sou, e não somos. Sozinhos não somos. Assumir a nossa incapacidade humana, as nossas fragilidades e a nossa dependência do Amor de Deus é, por vezes, tão difícil! Ser humano é querer tantas vezes ter o domínio da nossa vida. Porém, que não nos enganemos. Não te enganes Carolina, não és dona da tua Vida. Ela é um presente de Deus. Aqui, curiosamente em Exercícios Espirituais, vivi o dia da Transfiguração do Senhor, encarnando-a. Orei. Deixei (e vou deixando) que esta transfiguração do Senhor aconteça em mim. Na verdade, só tenho que “não temer”! Pois, aqui neste monte aceito novamente o convite de Deus – “Levanta-te, toma a tua enxerga, a tua cruz, segue-Me, assim como és… com medos, fragilidades, erros, mas também, dons. Aceita-te como Eu te criei!Tu, segue-me! E eu sigo-O.

E é seguindo-O que vos deixo o meu terno abraço. Peço-vos especial oração pela missão que Deus quer que ali construamos. Que mais que ela seja fruto das nossas ideias de missionários europeus, que ela seja fruto da inspiração do Espirito Santo, pois a missão nunca será nossa. A missão é de Deus.

Vossa amiga Leiga Missionária Comboniana Carolina Fiúza

in REDE – Revista Digital Diocese Leiria – Fátima, nº30 , 25 de Julho de 2019 (disponível em https://leiria-fatima.pt/noticias/subir-ao-monte/)

Estamos na Etiópia!

Ethiopia

Chegámos há poucos dias a Addis Abeba. Magda está connosco e está a ajudar-nos a conhecer a cidade nestes primeiros dias. Nosso tempo tem sido muito preenchido. Depois dos primeiros dias de adaptação e de conhecer Addis Abeba começámos o curso de Amárico. É bom perceber que, graças ao pequeno curso que fizemos na Polónia, já temos alguns conceitos básicos da língua e por isso não precisamos dedicar tempo ao alfabeto, podendo assim avançar mais rápido.

Conhecemos muitas pessoas interessantes e visitámos muitos lugares da capital. Entre outros, estivemos no centro para crianças de rua dirigido pelos Salesianos, assim como na casa Madre Teresa de Calcutá. Reunimo-nos com o cardeal, que nos abençoou. Também participámos na celebração de Timket (batismo de Jesus) que, na Etiópia, é uma celebração muito solene.

Ethiopia

Tobiasz e Adela, LMC na Etiópia

Promovendo o grupo “Amigos de Comboni” na Etiópia

Promoting Comboni FriendsNa Etiópia estamos a planear reativar o grupo “Amigos de Comboni” e quem sabe, mais tarde, através deste grupo possamos encontrar algumas vocações de Leigos Missionários Combonianos (LMC)

No fim-de-semana passado tivemos uma boa ocasião para fazer promoção vocacional. Celebrámos a festa de Cristo Rei (duas semanas mais tarde que o resto do mundo).

As principais celebrações decorreram na catedral de Addis Abeba. O Programa foi de dois dias. O Sábado começou com exposições de diferentes congregações e movimentos laicais; também nós, LMC, estivemos presentes.

Promoting Comboni Friends

Houve também tempo para aprofundamento da Fé – No sábado tivemos adoração eucarística, orações, conferências e confissões. E no domingo celebrámos a santa missa segundo o rito geez (ritual muito solene próprio da Etiópia).

Foram momentos muito interessantes de oração e encontro com as pessoas, algumas delas mostraram interesse em conhecer melhor o nosso grupo. Assim, rezem por todos nós, se é vontade de Deus o grupo começará e crescerá 🙂

LMC Etiópia

Meskel

Etiopia

A Festa da Santa Cruz (chamada “Meskel”) é uma das maiores celebrações na Etiópia. É comemorada, de modo particular, na região de Gurage, onde tivemos oportunidade de passar uns dias e ver as celebrações. O nosso amigo Desalegn convidou-nos e assim podemos perceber como era a vida na sua aldeia. Dormimos numa casa tradicional onde também estavam os familiares de Desalegn.

Durante a celebração da Meskel, famílias inteiras vêm para as aldeias para passar este momento especial juntas. O sacrifício de um touro é uma das tradições mais importantes e toda a gente é envolvida. Depois das orações, um homem da vila, sacrifica o animal cortando-lhe a garganta. Então todos ajudam a cortar a carne e a prepará-la para ser comida crua durante a festa. A carne crua é uma iguaria muito popular na Etiópia, principalmente quando é fresca.

Nesse mesmo dia as mulheres preparam uma especialidade tradicional chamada “kitfo”, – a carne fresca crua é cortada em bocados muito pequenos sendo servida com manteiga e especiarias picantes. Ninguém nos perguntou se queríamos um pouco – deram a todos uma porção, por isso não a podemos recusar. A Magda, minha homónima, gostou bastante, mas para mim foi um grande desafio comer carne crua. Comi só um pouco.

Etiopia

Segundo a tradição Santa Helena queria encontrar a santa cruz para a salvar de ser profanada, encontrou-a seguindo o fumo de uma fogueira. Em memória a isto, pessoas em toda a Etiópia acendem fogueiras durante a festa. Na região de Gurage as pessoas da aldeia reúnem-se num grande espaço aberto e acendem juntos a fogueira.

Após o discurso de um ou de vários líderes, as pessoas desejam umas às outras um Feliz Ano Novo. De fato é o início do ano novo segundo o calendário local. De seguida dançam uma dança tradicional Gurage em círculo. Depois de algum tempo vão para casa e cada família acende uma fogueira em frente à sua casa. Muitas pessoas movem-se de uma fogueira para outra.

Demo-nos conta que quando um número de pessoas se reúnem numa fogueira em particular, muitos dos vizinhos se juntam a eles. Logo, todos juntos, vão de um lugar para o outro dançando e cantando a mesma canção tradicional. Isto durou até de madrugada.

No dia seguinte fomos à Igreja para a missa. Mais tarde, outra grande fogueira se acendeu. Houve danças e canções. As canções religiosas foram as primeiras a serem cantadas e depois a mesma canção tradicional Gurage.

Muitas pessoas visitam as suas famílias e amigos neste dia. Nós também fomos com o Desalegn visitar os seus familiares. Em todo o lado nos receberam com comida e bebida, começando com o café e vários aperitivos e terminando com o “kitfo”.

Etiopia

Resumindo, posso dizer que fui testemunha das tradições Gurage associadas à festa da Santa cruz. É um momento da família muito especial desta tribo. Tal como na Polónia que passamos o Natal com a nossa família mais próxima e amigos, comendo comidas típicas de Natal, as pessoas Gurage passam a maior parte do tempo sentados, falando e comendo juntas. Claro que também existem diferenças. Por exemplo as pessoas Gurage não utilizam mesas para colocar a comida e não passam horas a ver televisão.

Durante a nossa breve visita, tivemos uma vivência privilegiada com uma família Gurage. Permitiram-nos entrar na sua vida, sentir a atmosfera do lugar, conhecer a forma como se saúdam, experimentar as suas comidas, beber café e conversar com eles. Vimos de muito perto como trabalham, descansam, celebram e vivem a sua vida quotidiana. Foi uma experiencia muito interessante e enriquecedora. Agradecemos sinceramente ao Desalegn, aos seus familiares e às pessoas Gurage por esta grande honra.

Magda Fiec, LMC Awassa (Etiópia)

[Etiópia] Um óptimo dia para a jardinagem

Desde 2010, temos continuado o nosso trabalho (Mark & Maggie), com a Universidade católica e com o Grupo de Estudantes do Colégio em Awassa. Eles têm uma comissão de líderes estudantis muito activa, com muitas ideias e energia, de modo que estamos a acompanhar estes “adultos”, desempenhando as funções de mentores. Este ano o grupo é particularmente dinâmico. Em 2014, um novo centro Católico irá abrir aqui na cidade de Awassa, que terá uma igreja paroquial, um jardim infantil e, a sua jóia da coroa: um novo centro juvenil diocesano. Pensamos que seria fantástico começar a envolver os jovens a dar alguma vida a esta construção que dentro em breve será um centro pastoral.

Assim, aproximámo-nos do grupo de estudantes para ver se eles queriam participar no desenho e plantação dos jardins envolventes à igreja. Eles adoraram a ideia e logo se puseram a preparar o projecto com muita vontade e iniciativa. Em muito pouco tempo, formaram uma equipa de estudantes de engenharia e agricultura, inspeccionaram o local, tiraram as medidas, visitaram alguns dos jardins mais bonitos da cidade para se inspirarem e fizeram um esboço do projecto. Um estudante dedicou um dia inteiro para se deslocar a três horas de distância para seleccionar e comprar as plantas. Outro estudante visitou o terreno no dia anterior e marcou o desenho no solo. E, chegados ao último Sábado, os estudantes convidaram os seus amigos… e vieram umas 40 pessoas que plantaram tudo de uma só vez! Foram divididos em pequenas equipas, e com uma sensação se caos controlado, começou o trabalho: enxadas a balançar, pás a cavar, estrume a voar e plantas a cair na terra. Rimos, cantamos e antes de nos apercebermos que o dia tinha acabado… 1200 plantas e flores já estavam no seu lugar. Depois sentamo-nos à sombra e partilhamos bananas, pão e refrescos. Todos estavam contentes com o excelente dia de trabalho.

Daqui a alguns anos, quando as sebes estiverem cheias e as árvores crescidas, os jovens envolvidos vão olhar e sorrir em silêncio sabendo como tudo aconteceu. O mais importante é que eles terão aprendido uma boa lição – podemos alcançar coisas grandes e belas, se estivermos dispostos a fazer um esforço e trabalhar em conjunto.

garden new church low res

por Maggie, Mark e Emebet Banga, Leigos Missionários Combonianos, Awassa, Ethiopia