Leigos Missionários Combonianos

Missão na Terra Vermelha (Subir ao monte)

Missão na Terra Vermelha (Subir ao monte)

[Excursiones en comunidad: Pedro, David, el padre Endrias y yo.]
Saídas em comunidade – Pedro, David, Pe. Endrias e eu

Entrar na nova cultura é uma viagem que requer dedicação, ir conhecendo de tudo um pouco. Não só ver o cinzento do painel, mas também, e sobretudo, contemplar as diversas cores do mesmo e pintar com mais força os rosas, os verdes, os azuis, os amarelos, os vermelhos,… É saber apreciar, como uma criança curiosa por descobrir este mundo e o outro, embevecida sobre o funcionamento das coisas. Sem juízos. Sempre de olhos novos. O que é muito difícil, principalmente quando já se é adulto, quando já se traz uma bagagem, vícios, opiniões sobre tudo e mais alguma coisa.

Entrar na nova cultura, a tão chamada e bendita inculturação, é também apreciar os momentos em que estamos na escola com os companheiros das aulas de amárico e outras línguas, os serões com a comunidade dos MCCJ (Missionários Combonianos do Sagrado Coração de Jesus), as orações em comunidade, as visitas a museus, a comida (que aqui é bastante diferente e quase sempre com um toque de berber, uma especiaria típica de cá, que a tudo dá o seu travo a picante), as saídas em comunidade para comer um gelado ou beber uma coca-cola (sim, aqui também há disso!).

Entrar na nova cultura, não é só beber do choque cultural que vos falava no último artigo, um choque que nos leva a descer a montanha. É também sentir a sede de encontrar Deus no meio de tudo isto e subir ao monte. Escutá-lo, orar cada dificuldade que vai surgindo. Como agora o faço – subo ao monte. Tivemos cerca de duas semanas de pausa das aulas de amárico (pois a escola entra em férias) que nos deram a possibilidade de ir uma semana a Benishangul-Gumuz, para onde iremos iniciar a missão em Setembro (Deus queira), e de uma semana de Exercícios Espirituais.

Pois é em Exercícios que me encontro. Um tempo que tem sido importante para mim, para me renovar, para subir ao monte e falar com Deus. Tem sido um tempo de rezar tudo o que vi em Benishangul-Gumuz.

E o que viste lá? Recordo como se fosse agora o dia em que fomos às vilas desta região, onde apenas habitam os Gumuz, para celebrar a catequese. Saímos de casa por volta dessas 16h30. Viagei na parte traseira da 4×4, ao ar livre, ainda que houvesse para mim um lugar cativo no seu interior, o que era mais seguro visto que a qualquer momento poderia começar a chover torrentes (o que é muito típico aqui nesta altura do ano, pois estamos na kremt gizê (traduzindo do amárico, estação das chuvas). Porém, preferi a visão do lado de fora por ser sempre mais original! A viagem do lado de fora também iria dar lugar à convivência com os catequistas Gumuz que iríamos recolher pelo caminho (mal eu imaginava que a traseira se iria encher deles). E assim foi: pelo caminho, rumo a uma das vilas Gumuz fomos recolhendo os muitos e jovens catequistas. Não tenho a certeza, mas na traseira da 4×4 poderíamos ser uns 16. Contemplava aquela juventude de catequistas. Falavam e riam imenso entre si. Falavam na sua língua, Gumuzinha (outra que terei que aprender), pelo que eu não percebia nada! Na minha cabeça construía histórias e frases em amárico para tentar conversar com eles. Eles também sabem falar amárico, porém nem todos os Gumuz o sabem. Por isso, estes são catequistas escolhidos pelos MCCJ por poderem ser uma ponte entre nós, missionários, e o povo Gumuz. Além de serem eles a dar as catequeses, são também eles que fazem a tradução amárico-gumuzinha, sendo os intermediários entre nós e o povo Gumuz.

Lá ganhei coragem e iniciei a conversa com um dos catequistas. Trocámos meia dúzia de frases. Senti amizade e o ausente olhar de que sou diferente. O povo Gumuz é um povo amigo. Diferente da reacção comum da parte de muitos outros Etíopes, que à nossa passagem nos chamam de Farengi (estrangeiro), os Gumuz olham para nós com um sorriso. Por eles somos vistos como amigos, como aqueles que se lembraram do seu povo e que os têm vindo a proteger. São bem negros, diferente do típico Etíope que por norma tem uma cor de pele mais castanho-leite. Também por isso, são um povo tão marginalizado, não sendo considerados por muitos a verdadeira “raça” de etíopes.

Catequista
Um dos catequistas, Gumuz, a preparar-se para a catequese

A determinada altura, os catequistas foram sendo distribuídos junto de diferentes casas. Com eles saímos da carrinha e fomos chamando crianças e jovens a participar nas catequeses. Um aperto de mão, um olhar nos olhos… como gostava de os olhar nos olhos! Muitos chamámos, mas nem todos vieram. Ainda vivem o medo de sair de suas casas, dada a situação que sucedeu em Junho (em que foram atacados pelo povo Amara). Ainda assim, posso-vos dizer que muitos foram os catequizandos que, no escuro daquele entardecer, encheram aquela casa feita de paus, onde celebrámos as várias catequeses.

O que vi e vivi naquela semana em Benishangul-Gumuz despertou em mim um duplo sentido de emoções. Entre ideias que surgiram de projetos a começar, surgiu também o medo, a sensação de incapacidade. Eis que esta semana de Exercícios foi tempo de renovar a confiança, a mesma que me fez dizer SIM, no dia do meu envio, como Maria, “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim a Tua Palavra”. Ao subir ao monte percebo que, efetivamente, não sou capaz de tamanha missão. Não sou, e não somos. Sozinhos não somos. Assumir a nossa incapacidade humana, as nossas fragilidades e a nossa dependência do Amor de Deus é, por vezes, tão difícil! Ser humano é querer tantas vezes ter o domínio da nossa vida. Porém, que não nos enganemos. Não te enganes Carolina, não és dona da tua Vida. Ela é um presente de Deus. Aqui, curiosamente em Exercícios Espirituais, vivi o dia da Transfiguração do Senhor, encarnando-a. Orei. Deixei (e vou deixando) que esta transfiguração do Senhor aconteça em mim. Na verdade, só tenho que “não temer”! Pois, aqui neste monte aceito novamente o convite de Deus – “Levanta-te, toma a tua enxerga, a tua cruz, segue-Me, assim como és… com medos, fragilidades, erros, mas também, dons. Aceita-te como Eu te criei!Tu, segue-me! E eu sigo-O.

E é seguindo-O que vos deixo o meu terno abraço. Peço-vos especial oração pela missão que Deus quer que ali construamos. Que mais que ela seja fruto das nossas ideias de missionários europeus, que ela seja fruto da inspiração do Espirito Santo, pois a missão nunca será nossa. A missão é de Deus.

Vossa amiga Leiga Missionária Comboniana Carolina Fiúza

in REDE – Revista Digital Diocese Leiria – Fátima, nº30 , 25 de Julho de 2019 (disponível em https://leiria-fatima.pt/noticias/subir-ao-monte/)

Deixe um comentário