Leigos Missionários Combonianos

[Etiópia] O amor, na prática, é uma coisa dura e terrível

Catholic Worker

Dorothy Day, a fundadora do movimento do trabalhador católico, disse uma vez: “O amor, na prática, é uma coisa dura e terrível, comparado com o amor edílico. A realidade continua a confrontar os nossos sonhos, a nossa esperança e a nossa visão ideal”. Day sabia bem do que estava a falar, pois doou toda a sua vida a lutar em solidariedade com os pobres. Amar os pobres é uma coisa difícil. Mesmo quando chegamos com uma sincera vontade de “servir os pobres”, não podemos deixar de ter uma certa visão romântica acerca de quem são os pobres e do que é que eles precisam. Mas a prática diária do amor, está longe de ser romântica, e estou surpreendido com quantas vezes falhei completamente esta tarefa de amar os pobres, quando estou precisamente a tentar fazê-lo. Isto tem sido parte do meu caminho enquanto leigo missionário comboniano na Etiópia.

Mas o amor persiste como sendo o centro e a única fonte de inspiração. Mt 25, 40: “Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes. Jesus descreve em Mateus 25, 31-46 que a herança do seu Reino é baseada em algo bastante simples e atingível. Mais uma vez, Dorothy Day lança uma luz, quando comenta: “Se o próprio Cristo não tivesse dito isso, pareceria uma delirante loucura acreditar nisso. Mas Ele disse que um copo de água, dado a um mendigo, é dado a Ele mesmo. Ele fez com que o céu seja uma espécie de dobradiça, que depende da forma de actuarmos em relação a Ele, disfarçado num lugar-comum, frágil, na humanidade.”

Mateus 25,40 continua a ser um grande desafio e ao mesmo tempo encorajador para mim. Ao ver Jesus naqueles que estão ao meu redor, começo a dar valor e cuidar dos seus sofrimentos, assim como das suas alegrias, a ver a esperança e os dons com que eles contribuem para o mundo. Começo também a perceber a minha própria pobreza, a aceitar que, como pessoas, todos partilhamos rupturas, sentimentos de perda, rejeição e necessidades não satisfeitas. Vejo que o verdadeiro desafio é ter confiança em “Jesus” que está nos outros, mesmo quando não O vejo. Acreditem, há momentos em que esfrego os olhos para ver Jesus, mas tudo o que vejo são erros e decepções.

Também estou a aprender que, contido no acto de amar os pobres, está a esfera da virtude humana – paciência, perdão, simpatia, esperança, perseverança e coragem. A mensagem de Deus sobre o amor resume-se na obrigação de amar os pobres, com um chamamento implícito para a autenticidade e para ter o coração aberto, que é exigido em praticamente todas as tarefas do nosso quotidiano (mesmo quando o romantismo já desapareceu).

Quando reflicto sobre estas coisas, faz-me acreditar que no final dos meus dias, quando estiver face a face com Jesus, serei questionado apenas sobre uma coisa: “Como é que amaste os pobres?”

por Mark

Maggie, Mark and Emebet Banga, Leigos Missionários Combonianos, Awassa, Ethiopia

4533

Deixe um comentário