Tag Archive for República Centro-Africana

Notícias da Missão de República Centro-Africana

LMC Portugal

Espero que tudo vos esteja a correr bem e a todas as pessoas que me conhecem. Eu e todos os membros da C. A. (comunidade apostólica) estamos bem, graças a Deus.

Estou em Mbaiki a participar no retiro com os combonianos, estou a achar muito bom. Espero que venha a dar bons frutos! Que o Senhor nos ajude a segui-Lo cada vez melhor, com o coração e não só com a cabeça, a sermos-Lhe fiéis, e a nunca perdermos a confiança n´Ele porque Ele é sempre fiel e está sempre ao nosso lado. Na doença e nas dificuldades não devemos duvidar da Sua presença, porque aí Ele nos dá a Sua mão e, muitas vezes nos transporta, quando já estamos a desanimar.

Estes primeiros tempos têm sido difíceis, as matrículas dos alunos, a escolha dos professores que é muito difícil, pois o nível de estudos é muito baixo. São pais professores que têm o 9º, 10º… não temos nenhum professor diplomado. Fazemos testes para os admitir mas os resultados são muito fracos e assim não dá para os colocar diante de uma classe, é preciso saber um certo mínimo. Para além disso as classes têm cerca de 50 alunos o que dificulta mais o ensino. Dou graças a Deus que estão já todas as classes a trabalhar. Que o Senhor ajude os professores e os alunos a conseguirem boas aprendizagens é Ele que faz caminhar, avançar o trabalho na Missão. Nós somos simples servidores.

Domingo será a ordenação episcopal do Padre Jesus, em Bangui. Não se esqueçam de rezar por nós e de também rezar muito por ele. Que a paz volte o mais rapidamente para Bangassou a diocese que lhe está confiada. Eu não me esqueço de rezar por todos, cada dia. Boas melhoras a todos aqueles que estão doentes, que o Senhor vos conceda força e serenidade…

Aqui tem chovido muito. As estradas estão péssimas com muitos buracos, são muito cansativas as viagens. Desde que cheguei só fiz a viagem para Mongoumba que foi grande as outras viagens foram de poucos quilómetros. Espero que já tenha chovido bem aí e que tenham terminado os fogos. Terça voltarei para Mongoumba se o Senhor o permitir.

Estamos sempre unidos pela oração. Um abraço Missionário do tamanho do Mundo!

Maria August. LMCMongoumba

Notícias da Missão na República Centro-Africana

LMC RCAEspero que estejam satisfeitos com a visita pastoral realizada pelo senhor Bispo e que esta venha a dar muitos frutos.

Aqui, o padre Jesus está doente. Esteve mal, mas, graças a Deus, já está melhor… Todos os outros membros da comunidade apostólica estamos em forma e, por isso, damos graças ao Senhor, pelo seu grande amor para connosco! O padre Samuel partirá para a Etiópia a fim de fazer exames médicos e descansar. Rogo ao Senhor, para que ao voltar venha muito bem, cheio de saúde e energia, para enfrentar de novo os desafios da Missão. Hoje mesmo ficou novamente com malária. Espero que amanhã esteja melhor, pois tem a viagem para o seu país.

Desta vez vim a Bangui para abrir uma conta para a escola. Há uma organização que dá uma ajuda e exige que tenhamos uma conta para onde eles enviarão o dinheiro.

Trouxemos connosco um casal de pigmeus com um bebé que nasceu com uma deformação no nariz para ser operado no hospital pediátrico onde esteve a pequena Merveille. Já foi operado e parece que correu bem, Deus permita que sim! Sairá na sexta-feira, voltará connosco para Mongoumba para poder ser seguido bem até não precisar de fazer o penso, porque no acampamento não há condições de higiene nem ninguém que saiba fazê-lo. Espero que o Honoré fique bem… Os pais estão muito contentes!

Ao lado do Honoré está um bebé que nasceu sem ânus, as fezes saem pela barriga. Será operado amanhã… O Senhor permita que ele fique bem, que mais tarde possa ter uma vida normal.

A Merveille, graças a Deus, está a crescer normalmente, agora!

A Maria já recuperou um pouco da malária que teve; continuem a rezar por ela.

Eu peço ao Senhor todos os dias, por todos vós, que ele vos encha da Sua Graça. Rezo a Maria para que a viagem do Papa corra muito bem e que muita gente se converta a Jesus.

Sempre unidos pela oração.

Um grande abraço Missionário para toda a gente.

Maria Augusta LMC portuguesa na República Centro-Africana

Notícias da Missão na República Centro-Africana

LMC CentroafricaA Leiga Missionária Comboniana Maria Augusta Pires (de Janeiro de Baixo), que está em missão em Mongoumba, na República Centro-Africana, manda-nos notícias sempre que vem à capital (Bangui), o único lugar onde tem acesso á internet! Eis as mais recentes notícias que ela nos enviou, no passado dia 6 de Abril:

Desta vez voltei mais depressa a Bangui [capital da República Centro-Africana], passado um mês. Como me sentia cansada, aproveitei para fazer exame à malária e deu positivo. Já comecei a fazer o tratamento enquanto os sintomas são ainda poucos, porque, deste modo, a reacção ao medicamento é menos forte, sofre-se menos.

A Ana teve malária há duas semanas e sente-se cansada, porque esteve connosco uma dentista Polaca e ela acompanhou-a sempre durante quase três semanas. Extraiu muitos dentes em cada aldeia; para tratar cáries não dava, porque não pode deslocar-se com as máquinas. Graças a Deus, ajudaram muita gente que estava a sofrer. Só em Bangui podem arrancá-los e fica muito cara cada extracção: 10.000 francos (16 €). Houve pessoas que extraíram dois e mesmo três dentes, pagando uma quantia simbólica de 500F (menos de um euro).

O padre Fernando, agora, graças a Deus, está bem e o padre Jesus também. O padre Samuel teve malária no início de Março e voltou a ter na semana passada. Agora tem febre tifóide (salmonela). Terá de tomar um ou dois antibióticos. O Senhor o ajude a ficar bem… ele está a ficar desanimado… Por favor, rezem por ele!

A Maria, senhora pigmeia que tem cancro, sentia-se um pouco melhor. Na semana passada começou com uma grande diarreia. Demos-lhe medicamentos para a combater, mas não passava. Então, começámos o tratamento de malária com um medicamento injectável e logo começou a passar. Emagreceu muito, agora é preciso que ela coma melhor. Damos-lhe também da nossa comida, assim varia mais e pode ser que recupere mais depressa. Continuemos todos a pedir por ela a Maria e a seu Filho Jesus.

Na semana passada, nasceram dois gémeos cuja mãe não dá leite e que é preciso ajudar; neste momento são 9 bebés. Com a graça de Deus e a generosidade de todos aqueles que partilham o que têm para auxiliar os que precisam, podemos trabalhar com muita alegria e, assim, a partilhamos com todos os que nos rodeiam.

Há duas semanas, quando fui visitar os doentes ao hospital, encontrei uma senhora que tinha feito cesariana e que o leite não queria vir (passados três dias). Pediram-me leite, mas eu disse que era preciso fazer tudo para que ele viesse. Então, fiz-lhe uma infusão de menta e, ao segundo dia, começou a sair um pouco; fiz mais dois dias, e o Patrice começou a mamar bem, graças a Deus. É sempre melhor o leite materno e aqui ainda mais, porque fica muito caro e as condições de higiene são muito poucas (cuidados com os biberons e a água para preparar o leite). O leite para um bebé durante um ano custa aproximadamente 400€. São pouquíssimas as famílias que têm possibilidades para o comprar.

Durante a Quaresma, a Missa às quartas-feiras é no bairro; e às Sextas-feiras é também feita a Via Sacra no mesmo bairro. Sexta-feira virão jovens de toda a Paróquia participar nas Jornadas da Juventude. Sábado haverá formação e também animação e Domingo de Ramos será a grande festa. Na semana passada, os catecúmenos [pessoas que se preparam para receber o Baptismo] do 3ºano tiveram três dias de retiro e no domingo receberam já o óleo baptismal; como são muitos torna-se mais fácil fazer os ritos do Baptismo por etapas.

Chegou um novo LMC [Leigo Missionário Comboniano], Simon, que é Italiano. Está a aprender o Francês aqui em Bangui e, depois, ainda não sabemos onde irá estudar o Sango [idioma local].

Li todos os Astrolábios com grande alegria [ela recebe-os por e-mail] e rezo para que a visita de D. Virgílio venha a dar muitos frutos no futuro. Que a Visita Pastoral decorra muito bem!

Que os corações de todos os vossos paroquianos acolham as palavras do senhor Bispo com muita alegria e desejo de melhorarem a sua vida de cristãos, serem verdadeiros testemunhos de Cristo.

LMC CentroafricaVotos de Santa Páscoa para todos.

Unidos em Cristo pela oração.

Um abraço missionário do tamanho do Mundo.

Maria Augusta Pires,

Jornal Astrolábio

 

 

Maria Augusta escreve-nos de Mongoumba (RCA)

Maria Augusta LMCCaros LMC, amigos, familiares …

Eu e a Anna estamos bem, graças a Deus. O padre Fernando começou, hoje, uma nova malária… cada quinze dias fica doente, já são três medicamentos diferentes que toma… eu penso que terá malária resistente e terá de tomar medicamento diferente, mas antes deverá fazer exames em Bangui! O padre Samuel picou-o um bicho, não sei qual, nas costas, cresceu como um furúnculo e, agora sai pus. O médico receitou-lhe um antibiótico. Também tem malaria…

O padre Jesus está em Espanha, nos primeiros quinze dias acompanhou o cardeal e o Imã de Bangui que foram receber um prémio oferecido pela revista comboniana  “Mundo Negro” e ao mesmo tempo fazer animação missionária. Neste momento está com a sua família, que espero estejam bem, para que ele possa voltar na data prevista, 1 de Março de 2017.

A pequena Merveille voltou no dia 13 deste mês depois de dois meses de hospitalização. Fiquei impressionada pois voltou ao peso que tinha aos quatro meses 3,5kg e já pesava quase 5…Sofreu muito! Também lhe descobriram tuberculose que está a curar. Espero que venha a recuperar depressa o peso perdido. Que o Senhor faça o que for melhor para ela.

A estadia da LMC Irene correu bem, ela deseja voltar para partilhar a sua vida com este povo, durante mais tempo. Aprendi muitas coisas práticas com ela relativas à saúde com medicamentos e  produtos da natureza. Gostei de estar com ela, acho que é uma verdadeira comboniana. No dia 2 de Janeiro quando era para regressar o batelão avariou-se no meio do rio e foi, rio abaixo com quatro carros, parando a dois kilómetros. Só passados três dias voltou ao seu lugar e pudemos ir buscar o carro. Irene tinha o avião dia 3 foi preciso vir um padre de Mbaiki buscá-la, ela passou o rio na piroga. Nessa noite dormiu em Mbaiki e, muito cedo, no dia 3 partiu para Bangui, conseguindo assim viajar para Kinshasa. Foi uma grande aventura!

Do dia 23 de Janeiro até dia 15 de Fevereiro estiveram connosco o pai e a irmã da Anna que vieram visitá- la. Foi difícil a comunicação porque só falam polaco. Com gestos e tradução da Anna lá nos fizemos compreender um pouco. Que bom seria que houvesse uma língua que toda a gente falasse…

No Mês de Janeiro enviámos para Mbaiki 5 jovens da Paróquia para fazerem formação para depois ensinarem as crianças de 3 a 5 anos (pré-primária). Se correr bem serão abertas três classes em três aldeias.

Ontem trouxe para Mbaiki 3 casais, responsáveis das capelas, com seus 8 filhos mais pequenos, deixam tudo… O Senhor os recompensará!

Estamos a ajudar uma senhora pigmeia que tem um cancro do peito. Levámo-la a Bangui, ficou no hospital durante dois meses, foram feito muitos exames e por fim trouxeram-na para Mongoumba pior que partira. Todos os dias vem comer com os alunos pigmeus que vêm à escola, é feito o penso ao peito.  Damos-lhe um chá que ela diz estar a ajudá-la. Só um milagre a pode salvar, rezem por ela, por favor. Que Maria interceda por ela, junto de seu filho Jesus!

Já há dois meses que não saía de Mongoumba. Viajar cansa muito porque as estradas estão muito mal, cheias de buracos.

Desejo a todos os leigos e familiares uma boa Quaresma, santa conversão.

Maria Augusta LMC

Sempre unidos pela oração.

Um abraço Missionário.

Maria Augusta

Passagem por Bangui

Ania LMC

Viemos a Bangui para buscar a LMC Irene, que vem de Kinshasa, é congolesa, e ficará cerca de um mês connosco. Ela é muito simpática! Deus permita que nós consigamos dar-lhe bom testemunho da missão e que seja, para ela, uma experiência inesquecível de bem.

Trouxemos uma das órfãs a quem ajudamos com o leite, a pequena Merveille, que nasceu com 1,850 Kg. Tem agora 5 meses. Estava a crescer normalmente, pesando já cerca de cinco kilos. No dia dois apareceu com menos 900g, a avó disse que tinha tido diarreia. Mandamo-la à UNT e ficou internada. Estava desnutrida, tinha febre cada dia… O chefe do hospital, juntamente com outro Técnico de Medicina, Tenda, observaram-na e acharam que tinha meningite. Na quarta-feira foi passada a transferência para Bangui.

Sexta, chegámos à Emergency, uma ONG italiana que trabalha na pediatria do hospital de Bangui, cerca do meio-dia, e saímos de lá às quatro horas. Exames de um lado para outro, radiografia aos pulmões e Merveille fica internada nos cuidados intensivos com pneumonia, sintoma de meningite, anemia, malária. Imediatamente lhe começam a dar oxigénio. Com grandes dificuldades para tirar o sangue para as análises… Que o Senhor a ajude a recuperar depressa, se for essa a Sua Vontade! Que Ele a guarde. Graças a Deus, hoje, domingo, estava um pouquinho melhor, segundo o enfermeiro!

No dia 8 de Dezembro tivemos o encerramento do Ano da Misericórdia, com a participação de gente de toda a paróquia. Foi uma longa Eucaristia, três horas, mas toda a gente estava contente. Às seis horas da manhã rezámos o terço acompanhado por muitos cânticos, com a imagem de Maria na procissão passando por todas as comunidades de Mongoumba. Vislumbrava-se no rosto das pessoas grande alegria e devoção à Mãe do Céu!

O Jubileu das famílias decorreu muito bem. Houve catequese para pais e filhos. Foi bom ver  na Eucaristia os pais juntos com todos os filhos, habitualmente estão todos separados. No final da missa cada casal foi buscar um casal que ainda não recebeu o Sacramento do Matrimónio, ficando com a responsabilidade de os catequisar de modo a muito em breve também eles receberem o Sacramento.

Já temos carro novo! Graças à generosidade dos Missionários Combonianos de seis províncias, que partilharam connosco aquilo que lhes é oferecido pelos seus benfeitores. Agradecemos também a Deus por lhes conceder essas virtudes de ajudar, de ser solidário de amar.

Não se esqueçam de rezar por nós. Daqui rezamos por todos vós também.

DESEJAMOS A TODOS UM SANTO NATAL E UM BOM 2017 PLENO DE PAZ, ALEGRIA E MUITO AMOR.

Beijinhos das LMC

Anna e Maria Augusta (Mongoumba, RCA)

 

“A missão não se faz sem amor!”

LMC PortugalÉlia Maria Cabrita Gomes nasceu a 29 de janeiro de 1955 e é natural de Paderne (Albufeira). É enfermeira, aposentada. Em 2006 teve o seu primeiro contacto com o continente Africano num projeto de sete meses com a Assistência Médica Internacional (AMI) na República Democrática do Congo. Em 2011 partiu com os Leigos Missionários Combonianos (LMC) por dois anos para a República Centro Africana. Acabou por ficar cinco anos nesta missão.

Quando tinha apenas 16 anos surgiu uma oportunidade de fazer uma experiência de dois meses em Angola que considera ter sido “o clic para realizar um sonho”. Infelizmente o seu pai não estava de acordo e não partiu. Ainda enquanto estudante de enfermagem pensava partir mas em 1976 ao terminar o seu curso começa a trabalhar no Hospital de Faro onde ficou até à data da sua aposentação, casa e tem uma filha. Em 2006 tem finalmente a sua primeira experiência e parte por sete meses para a República Democrática do Congo com a AMI. “Foi uma experiência de apenas sete meses que serviu de estímulo e aumentou o meu desejo de voltar a África, de sair do meu comodismo e ir ao encontro de outros povos”, partilha. Começou a fazer voluntariado no Lar do Centro Paroquial de Paderne, a sua paróquia de origem, e descobre os LMC através da revista Além-mar que encontrou nos seus primeiros dias de trabalho. “Fiz a formação com os LMC (2008 – 2010), conheci Comboni, o seu lema “Salvar África com África” fazia todo o sentido, assim como sair, ir ao encontro dos mais pobres e abandonados, contribuir para a melhoria da sua qualidade de vida e favorecer a promoção humana”, diz-nos.

Foi por dois anos e ficou cinco!

Em Fevereiro de 2011 chegou a Bangui (capital da República Centro Africana – RCA, a Mongoumba, por um período de dois anos, “sem expectativas preparada para aceitar e dar o que a missão me pedir”. Acabou por ficar cinco anos “com experiências de vida muito intensas. Os primeiros tempos foram de aprendizagem: ver e ouvir, aprender a estar, aceitar e respeitar, enfim dar os primeiros passos numa cultura e hábitos tão diferentes dos nossos”, diz-nos. Sobre o seu destino Mongoumba diz-nos que é a sede de um dos dez concelhos do distrito de Mbaiki: “é uma vila com cerca de 8.000 habitantes, situada a 190 km de Bangui, em plena floresta equatorial. Faz fronteira com a República Democrática do Congo e o Congo Brazaville. O concelho de Mongoumba tem uma população de 25.000 habitantes de várias etnias contando entre elas o povo pigmeu Aka. Os pigmeus são descriminados pelo resto da população que os utiliza como mão-de-obra barata, são os mais desfavorecidos da sociedade, vivem em vários acampamentos dispersos na floresta, quase todos habitam em casas de folhas, são poucos os que fazem casas de barro e de tijolo ainda menos, alimentam-se do que recolhem da floresta. Os seus bens resumem-se ao que podem transportar quando deixam o acampamento e partem, mais para o interior da floresta, para as campanhas de pesca, recolha de mel, lagartas… Produtos que vendem ou trocam por sal, panos para se cobrirem e pequenos adornos. Raramente têm dinheiro e o pouco que têm nunca é suficiente para pagar os cuidados de saúde.

A missão de Mongoumba tem como prioridade a evangelização do povo pigmeu e grande parte das nossas actividades têm em vista a melhoria das condições de vida deste povo e a sua integração social. Numa pastoral de proximidade e trabalhando na sensibilização e promoção da saúde visitei muitos acampamentos, visitei doentes, desparasitei crianças e nos dois primeiros anos, com a colaboração do exército francês, fizemos várias campanhas de tratamento do pian (doença contagiosa e incapacitante). Fiz muitos quilómetros a pé na floresta… Numa realidade dura que não é possível mudar, apenas retocar com um pouco de criatividade e ter esperança que as sementes lançadas deem fruto. Após vários anos de trabalho, em que a Missão serviu de ponte entre este povo e o Centro de Saúde público, o resultado começa a ser visível e gratificante, os pigmeus ainda são os últimos a ser atendidos nas consultas, mas são consultados e quando necessitam de internamento ficam nas mesmas enfermarias que o resto da população. Durante cinco anos uma das minhas actividades foi de vigilância para com os pigmeus internados, para que não fossem esquecidos, porque é muito fácil esquecer o tratamento ou dar a injeção a quem não tem voz! A ajudar-me nesse trabalho sempre contei com a preciosa colaboração dos dois agentes de saúde que trabalham no Centro de Reabilitação física da Missão. Muito do nosso trabalho é despertar consciências porque toda a gente é pessoa, em Sango “Zo kwe Zo” e como tal deve ser tratada e respeitada.”

Conta-nos que após o golpe de estado em março de 2013 “o país mergulhou no caos vivendo sob o domínio das armas durante três anos. A pobreza e o sofrimento da população atingiram níveis nunca antes imagináveis. Apesar das muitas ONG’s no terreno, a Missão Católica é quase a única instituição que continua, de forma constante, a trabalhar na defesa e promoção da dignidade deste povo tão sofrido, desenvolvendo actividades nas áreas da educação, saúde, promoção humana, pastoral, justiça e paz… Nos últimos dois anos o meu grande investimento foi na despistagem e tratamento das crianças mal nutridas, na sensibilização e formação dos pais sobre higiene e nutrição. Um trabalho desgastante tanto física como psicologicamente, mas tendo a compensação em cada criança que recuperou e voltou a sorrir. Tive a possibilidade de ter a trabalhar comigo uma boa equipa, gente da terra, disponível e interessada”.

Partir sem expetativas, regressar cheia de sonhos

Termina dizendo que apesar de ter chegado em 2011 sem expetativas, regressa em 2016 com o sonho de um dia regressar à missão da RCA e encontrar “casas que não são arrastadas pela chuva, com telhados que não são levados pelo vento; crianças saudáveis, bem alimentadas que têm livros e vão a escola; estradas sem buracos (mesmo as estradas de terra) e meios de transporte que aproximem aldeias, vilas e cidades; pigmeus que conhecem os seus deveres e são capazes de lutar pelos seus direitos; uma legislação nova em que as “bruxas” não vão a tribunal, mas sim os que as denunciam e atacam; centros de saúde e hospitais a funcionar com médicos e enfermeiros com formação, onde se fazem operações, análises e exames, onde há nome e causa para as doenças, deixando de haver doenças místicas; sonho que vou encontrar um país onde os pilares da educação, os professores, vão a escola e têm mais do que o 6º ou 9º ano de escolaridade; e, porque “Deus ama o seu povo”, tenho fé que o ódio que ainda existe vai dar lugar a uma paz duradoura num clima de amor e tolerância. É um sonho e uma esperança que as riquezas do país não vão só para os bolsos de alguns, mas passem a servir para melhorar a qualidade de vida de todos.

A missão não se faz sem amor! Gosto do país e gosto das pessoas, um povo que sofre, mas continua a rir, cantar e dançar. É o meu povo! Os mais pequenos são os que guardo com mais carinho no meu coração, recordar as crianças, os seus sorrisos puros e sinceros vai ser calor para as noites frias de inverno”.

Texto por Catarina António, FEC – Fundação Fé e Cooperação