Leigos Missionários Combonianos

Retiro sobre a “Missão dos Leigos Missionários Combonianos: desafios, sonhos, esperanças”

retiro LMCDurante o sábado 16 e domingo 17 de junho nos encontramos no lugar da Osservanza em Bolonha para um

momento de convivência, rezar juntos e reflectir sobre a “Missão dos Leigos Missionários Combonianos: desafios, sonhos, esperanças”, liderado pelo Padre  João  Munari.

Sábado à tarde  estiveram presentes pelo grupo de Bolonha: Micaela, Emma, Chiara, Eileen, Agostino, Giuliana, Annalisa e Michele e pelo grupo de Padova: Fabrizio, Francesca, Dorella e Roberto.

Começamos a partir do significado do termo “Missão” e da Palavra.

Para começar, o padre João recordou-nos que o Evangelho é  por todos, tanto para os leigos como para os sacerdotes, freiras, etc. As bem-aventuranças são um ideal de vida para todos, não apenas para os consagrados.

O batismo recebido dá pleno direito (e dever) a cada leigo de se sentir parte integrante da Igreja, anunciar o Evangelho, trabalhar pela Igreja, é um “direito de cidadania” dentro da Igreja para todos os batizados. E se queremos construir algo, devemos fazê-lo desde a Palavra, não desde documentos.

Nos fizemos algumas perguntas: O que significa fazer do Evangelho o ideal da nossa vida? A igreja se perdeu hoje? O que é que o Espírito pede de nós? Por que o Papa Francisco fala tanto sobre a necessidade de renovar a liturgia? Nós também sentimos essa necessidade? Sentimos fé e vida nas liturgias de nossas igrejas?

Então, partindo de quem somos e lembrando que o fundamento de nossa fé é a Palavra, que celebramos na liturgia, nos concentramos em nosso relacionamento com o mundo como Igreja.

A grande revolução é entender que a Igreja não é o centro do mundo, mas é a Igreja que gira em torno do mundo, assim como foi para a revolução copernicana.

E a renovação da Igreja também passa pela liturgia.

Neste momento, demos espaço para a comparação: como grupos de Bolonha e Pádua falamos sobre os compromissos assumidos no território, durante este ano. Temos enfatizado a riqueza que cada um dos nossos grupos traz após anos de caminhada e que corremos o risco de perdê-lo, dissipando-o e não reconhecendo-o por falta de uma memória comum.

Depois da reflexão, então, em torno da Palavra, cada um de nós apresentou um sinal da caminhada deste ano: o panfleto dos “aperitivo dos Povos” organizados em Pádua, o folheto de reuniões nas paróquias sobre novos estilos de vida organizados em Bolonha, alguns livros significativos (incluindo Ave Mary da escritora Murgia), Wipala, um lápis 80% reciclado que não quebra e até escreve sem dica, o cartão de coleta com o nosso nome, o óleo de Nardo.

Depois do jantar nos reunimos para ouvir os testemunhos da vida missionária das Ir. Elisabetta Raule e Ir. Federica, Missionárias Combonianas, respectivamente, no Chade e na África Central. Foi bom sentir quanto a alegria e a paixão guiam seus passos, mesmo nas dificuldades que encontram diariamente em seus  trabalho entre essas populações. Ir. Elisabetta, uma médica que trabalha diariamente com ferimentos muito graves  das pessoas devido a armas de fogo por causa  da guerra interna em Chad; ir. Federica, uma enfermeira que trabalha entre os pigmeus na floresta.

Domingo de manhã Nós partimos do Evangelho de João (6.1-14): Jesus pede aos discípulos após a multiplicação dos pães para recolher as peças avançadas “Recolham os pedaços que sobraram a fim de que não se perca nada“.

O que eles fizeram? ” Recolheram os pedaços e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixadas pelos que haviam comido. “. Qual será o motivo de tanta riqueza?

Devemos ter cuidado para que nada se perca, e pensando em nossos grupos este Evangelho convida-nos a redescobrir a riqueza de nossos grupos em toda a Itália.

Em seguida, liamos  algumas partes de um documento de 1994: Carta do Superior Geral e seu Conselho a todos os confrades sobre o Laicado Missionario Comboniano.

Aconselhamos a todos para retomar nas mãos, fomos surpreendidos ao ler algumas definições preto no branco, afirmando a impotancia, que define a identidade do leigo missionário comboniano (“tocado, inspirado e contagiado pelo carisma de Comboni”) “Os LMC constituem um facto novo que nos obriga a confiar, ter disponibilidade e criatividade …”, escreve o padre Geral e muitas outras coisas bonitas que fortalecem a forte relação entre padres e leigos dentro da família Comboniana. Primeiro de tudo, no entanto, este documento lembra-nos que ser LMC é uma vocação. E aqui todos nos devemos reflectir sobre a nossa vocação.

Em setembro, começaremos novamente a dar forma e conteúdo à nossa caminhada para o próximo ano, preparando-nos para enfrentar com fé e coragem os desafios que nos serão apresentados, certos de que não estamos sozinhos nesta caminhada!

retiro LMC

Grupo LMC de Bolonha, Itália

Mudar o mundo com os Novos Estilos de Vida

Nuovi Stili di Vita LMCNós do grupo leigos missionários Combonianos de Bolonha decidimos “sair”.

Sair para conhecer as comunidades paroquiais, para refletir e compartilhar os Novos Estilos de vida.

Compartilhar cabeça: para entender os fenômenos em que estamos imersos.

Compartilhar Coração: para suportar as necessidades de mudanças internas e externas.

Compartilhar Mãos: estimular iniciativas onde cada grupo local paroquial pode atuar. Sentimos que é importante embarcar em uma caminhada missionária que ajuda a desafiar um estilo de vida cada vez mais consumista e individual que aumenta cada vez mais as desigualdades sociais, locais e mundiais, bem como prejudicando brutalmente a nossa Casa Comum: a Terra.

A natureza dramática do nosso planeta, maltratada e ferida, as trágicas condições de vida de seus habitantes, não nos deixa indiferentes, é um grito cada vez mais forte em nossos ouvidos e está presente aqui e agora. É inútil negar que nossos estilos de vida atuais criaram e continuam gerando uma série de danos ao meio ambiente, o aumento da pobreza, as misérias do mundo.

Nuovi Stili di Vita LMCNossas escolhas, nossas ações diárias simples, têm uma repercussão global, o que usamos e consumimos, o que compramos, o que usamos e desperdiçamos, o mundo tornou-se uma única casa onde somos todos interdependentes e responsáveis em cuidar dela. O mesmo Laudato Si exorta a superar o individualismo e a propor um estilo de vida alternativo.

Nessas premissas, orientando nossa vontade, fé e compromisso, nos encontramos no domingo 19 de novembro, por ocasião do Dia Mundial dos Pobres, na paróquia de Cristo Rei de Bolonha, para compartilhar com os paroquianos o almoço da comunidade com os “pobres” da cidade, é um momento de reflexão e de compartilhamento sobre os temas do Novo Estilo de Vida.

Foi a nossa primeira reunião “fora”.

Com os paroquianos colocamos Cabeça, Coração e Mãos, emoções, reflexões e acima de tudo o desejo de engajar e construir algo “bom”.

Isso implica que é importante encontrar-nos juntos para tecer relacionamentos que se intensificam a partir da solidão, da impotência, da solidão urbana, cada vez mais pobres  de gestos de convivência e “humanidade”. Em pequenos passos, queremos empreender este caminho missionário sem afetar a quantidade (tantas pessoas? Poucas pessoas?) mas da qualidade e acima de todas as pessoas que querem caminhar conosco porque juntos crescemos, andamos, compartilhamos e transformamos. A missão nos convida a “sair”, a ser testemunhas, mas não sozinhos, juntamente com os Outros. Continuaremos a encontrar outras paróquias em 2018, tentando construir alternativas que surjam de solidariedade, encontro e convívio que ajudem a rede de idéias, iniciativas e grupos em um compromisso com a justiça.

Como Gandhi dizia: “Seja a mudança que deseja ver no mundo”, então depende de nós!

Nuovi Stili di Vita LMC  Emma, LMC de Bolonha

Natal é você

Navidad eres tu

No dia 17 de dezembro, nós encontramos em Bolonha para preparar-nos para o Natal, a surpreender-nos com uma criança que nasce, surpreender-nos diante de Deus que por amor se torna um menino para nós. A experiência que queria viver como um grupo foi para celebrar um encontro que tem o sabor desta maravilhosa espera. A espera tendendo a atenção, um aviso que leva ao amor e o amor que conduz a Deus.

Nós nos colocamos na escuta da Palavra do Evangelho de Lucas (Lc 2,8-20) e juntos construímos o berço. Todo mundo levou um pastor e colocamos perto do bebê Jesus, lendo esta oração que fizemos  nossa:

Natal é você, quando você decidir nascer de novo todos os dias e deixar Deus em sua alma.

Natal é você, quando você canta ao mundo uma mensagem de paz, justiça e amor.

Natal é quando você leva alguém para o encontro com o Senhor.

Você também é um Rei Mago, quando você dá o melhor que você tem, sem levar em conta com quem o partilha.

Música de Natal é você, quando você conquista a harmonia dentro de si mesmo.

Saudação de Natal é você, quando você perdoa e restabelece a paz, mesmo se você sofre.

No nosso grupo está começando a participar Endurace, um rapaz nigeriano que relatou suas dificuldades de ser um imigrante e o calvário que sofreu para chegar à Itália.

Nas nossas intenções recordamos o drama da imigração e as muitas mortes que permanecem na indiferença e silêncio.

Saber aceitar e fazer-se pequeno é o Natal que nos desafia todos os dias, não apenas na data do 25 de Dezembro.

O nosso encontro também contou com a participação de Emma, voltou depois de três anos de missão no Brasil.

Ela contou sua história, a sua caminhada, uma viagem missionária entre os LMC de Bologna e os LMC do Brasil.

As palavras de Emma foram acompanhadas por imagens que mostravam seu serviço no ministério da prisão, na periferia de Nova Contagem, na experiência de Salvador com moradores da rua, as pessoas que vivem na rua. Bonitas e fortes foram as suas palavras, o testemunho de missão ad gentes que viveu.

Bem-vinda de volta para o grupo e novamente no caminho com a gente!

A reunião foi concluída com o jantar comunitário, onde cada um traz algo e lembramos de dois eventos importantes:

A Missa de noite de Natal na estação, com os desabrigados e os voluntários e a marcha pela paz no dia 31 de dezembro, a ser realizada em Bolonha.

Estamos muito felizes com estas duas iniciativas onde estamos envolvidos na organização com outras realidades sociais e missionárias, uma tarefa que envolve a participação de todos, porque é em conjunto que é construído e muda o mundo.

Navidad eres tuFeliz Natal para todos … nenhum excluído!.

LMC Bologna

Comunidade Trindade

LMC BrasilEstou quase no fim da minha viagem missionária de três anos, neste solo brasileiro amado, que me deu e me ensinou muito.

Já sinto saudade de quando vai acontecer, uma saudade que eu vou chamar-me à memória os rostos, situações, histórias, momentos importantes que marcaram a minha experiência na missão e que me mudou, e que eu permiti para me mudar, de crescer um pouco mais.

Porque é bom mudar quando a vida te mostra caminhos que são bons para o coração.

A missão também é crescimento, encontro com os Outros, encontro consigo mesmo, encontro com Deus em nós.

Descobrir um Deus que é um peregrino e que nunca deixa de surpreender.

Um Deus que caminha com os pés descalços com você: “Tire as sandálias, porque o lugar em que você anda é terra santa!”

Então eu fiz, eu andei descalço na maravilha da descoberta e me descobri, sabendo que Deus estava andando comigo.

Escolhi de Terminar Estes Três anos de vida Missionária em Salvador da Bahia, em uma Comunidade que acolhe moradores de rua: A Comunidade Trindade.

E uma Experiência completamente diferente do que eu tenha experimentado até ágora.

Deixei ou mundo da prisão, que eu espero que continua na Itália, para conhecer a realidade difícil e sofrida dos moradores de rua.

A Comunidade Trindade existe há 10 anos e é em um bairro perto do porto e da um viaduto onde se encontram muitos moradores de rua.

A casa é uma Igreja que não está ative, se  tornou-se um refúgio e morada temporária para aqueles que decidem de recuperar a própria vida ou tentar de fazer isso.
LMC Brasil

Tudo é feito com uma é certa gradualidade, continuando a dormir no Chão dentro a Igreja e Iniciar uma ação de recuperação que vem de dentro, através de auto-estima e em busca de própria Identidade.

Quando você vive na rua você vai perder tudo, não apenas coisas materiais, mas chega a um ponto que você não se reconhece mais, perdendo em um nada que devora se, onde o álcool e as drogas aceleram o processo de destruição.

Você não sabe quem você é e você não tem mais sonhos para construir mais.

A fome, o frio, a busca de um lugar seguro para dormir tornar suas prioridades diárias.

O vício em álcool e drogas levá-lo a viver de expedientes, roubando ou prostituição até perder a sua dignidade.

Esta comunidade nasce do irmão Henrique, francês, e uma morador de rua, sendo que a procurar um abrigo para dormir reuniu-se esta igreja abandonada.

Irmão Henrique é um Mônaco peregrino que anos atrás, escolheu viver na rua para conhecer diretamente o drama de moradores de rua, tornando vizinho e vivendo com eles na rua.

A diocese aprovou esta igreja como um abrigo para a noite, para se tornar, ao longo dos anos uma comunidade, uma casa para aqueles que não têm um lar e uma esperança de vida.

Agora a Comunidade acomoda 35 pessoas, homens e mulheres.

A comunidade Trindade não é algo definitivo, mas um momento de transição.

Um lugar para sair da dependência de álcool e drogas, conseguir um emprego, voltar em seus pés depois de anos passados na vida de rua.

Todos da Comunidade cooperam e ajudam, para a sua manutenção e bem-estar.

Da cozinha, limpeza, jardinagem, artes e ofícios trabalho, todos trabalham juntos e são úteis, cada um com suas próprias habilidades e limitações.
LMC BrasilEu também tenho o meu papelão onde eu durmo no chão e ajudo em tudo.

Estou aprendendo sobre o que significa para fazer isso, coloco o cuidado com aquele papelão que representa o meu colchão, retroceder para reabri-la na noite seguinte. Quando ando na rua agora, e eu vejo um papelão abandonado no chão, ele vem me exclamar: “Olha uma cama!” Porque para alguém é isso: sua casa na rua. A missão ajuda a ver as coisas de outros pontos de vista, em especial, a partir de pontos onde as pessoas quase não querem parar, olhar. Aprender sobre como viver com pouco, o que significa dormir no chão, estar com fome, não ter a possibilidade de se lavarem, o que significa viver nos subúrbios da existência.

Pouco a pouco, estou conhecendo as histórias das pessoas que vivem na comunidade: histórias de rua, drogas, álcool, abandono e violência.

As palavras que dizem são duras e dolorosas, cheio de cicatrizes.

Mesmo nesta experiência, como aquela da pastoral carcerária, estou aprendendo a lição mais bonita e importante: aprender a ouvir sem julgar e ouvindo ficando próxima.

Na comunidade há também uma pequeno jornal de rua: Aurora

da rua , escrito por moradores de rua, que explica a sua situação, histórias de vida e a importância da reciclagem. É porque muitas obras de artesanato, são feitos de materiais residuais. Há uma grande pedagogia atrás , que é construir coisas belas e materiais ainda utilizáveis que são considerados inúteis e descartadas. Assim como consideramos a moradores de rua ou prisioneiros pensando o carcerária pastoral, ou que seja excluído da sociedade. Tudo renasce e vem à vida, uma nova vida.

O jornal, então, ajuda sobre as notícias da verdadeira realidade dos moradores de rua, que muitas vezes são discriminados, excluídos, abandonados, julgados. Há histórias que tocam o seu coração e ajudá-lo a compreender a profundidade de certa realidade, tão dura e dolorosa.

Na quinta-feira à noite, a Comunidade abrirá as portas para moradores de rua do projeto “Levanta-te e Anda”, é um projeto criado pela própria comunidade, em colaboração com a diocese de Salvador.

A igreja, infelizmente, não pode acomodar muitas pessoas e que o problema da rua é enorme.
LMC BrasilO projeto é um espaço onde oferece atendimento psicológico, ajudar a fazer documentos: carteira de identidade, cartão de emprego; atividades recreativas, possibilidade de lavar, vestir, para aqueles que vivem na rua.

É um momento de grande emoção, você vive em gestos concretos O Evangelho de Jesus convidando todos à mesma mesa, para compartilhar o pão e União, todos, sem exceção.

É o evangelho que eu acredito que, onde eu encontro Deus e seu rosto e esse rosto tem tantas histórias, tantas feridas, beleza. É por isso que eu gosto da expressão de um Deus que é Peregrino que está a caminho… está dentro de cada um de nós, andando e vivendo em nossas histórias.

Sou grata por esta escolha e este meu último mês e meio nesta comunidade bonita e importante da vida.

Minha vontade não um adeus ao Brasil, mas um até logo, porque os relacionamentos que eu criei, com as pessoas que andavam comigo, e me ensinaram a caminhar, não vou abandoná-lo na minha memória, com todos eles será um até breve.

Deus respira através de nosso coração.

Emma, LMC