Tag Archive for Europa

“Sou pedrinha, sou Igreja” – 6ª Unidade Formativa LMC

LMC PortugalNos dias 17 e 18 de Fevereiro tivemos a formação “Sou pedrinha, sou Igreja”, em Viseu. No Sábado, tivemos como formador o Pe. José Augusto Duarte Leitão, do Verbo Divino, que ao longo do dia nos foi falando de princípios da doutrina da Igreja: a centralidade da pessoa humana, o bem comum, o princípio da subsidiariedade e o princípio da solidariedade. Fomos vendo, refletindo e participando, momentos da vida da Jesus em que estes princípios se fizeram presentes e tão notórios. Fomos percebendo que estes princípios se interligam quase sempre e que nos mostram como devemos agir e relacionarmo-nos no mundo, à luz de Jesus Cristo e da Igreja. Dá-me confiança e esperança perceber que muitas das coisas que me fazem sentido e que tento ter presentes no meu dia-a-dia são consideradas pela Igreja como estruturais de uma doutrina social e caritativa.

Percebi que aquilo em que acredito e para a forma como vejo a vida e a minha relação com os outros e com o mundo que me rodeia é aquilo que a Igreja defende e promove.

Tivemos depois um momento de oração, um pouco diferente, com recurso ao Passo a Rezar e foi tão bom! Guardo as palavras “És precioso aos meus olhos”, tento não me esquecer deste Amor que Deus tem por mim, desta valorização da minha pessoa aos seus olhos. Haverá maior alegria do que esta, de me saber amada pelo Senhor? Só Ele me salva, só Ele me conhece e é Ele que me chama pelo nome e me faz correr ao seu encontro nos outros, naqueles que se cruzam comigo. É Ele que me chama a servir, a amar, a dar. É Ele que me chama a ser Amor, como é comigo. Sei que muitas vezes estou longe deste amor pleno, sou frágil… Mas sei que sou uma pedrinha nesta Igreja do mundo, tenho o meu lugar e vou tentando dia após dia torná-lo num sítio melhor.

À noite vimos o filme Germinal, um filme francês que retrata a luta pelos direitos de uns trabalhadores numa mina. Foi intenso, tanto pela história que retratava, como em termos de imagem. Foi duro! Mas foi também empolgante, e fez-me pensar em tantas desigualdades e em como muitas vezes temos de nos sujeitar a certas coisas que podem não parecer bem à primeira vista, mas em que, no fundo, não perdemos a nossa integridade como pessoas, e que apenas estamos a lutar por um bem maior.

No Domingo, tivemos connosco o ir. José Manuel que nos veio falar da urgência de unir a mente com o coração, para conseguirmos voltar à essência do Amor de Deus, que Jesus nos veio trazer. E só unindo a mente com o coração podemos olhar o mundo e podemos encontrar este Amor que transforma. O ir. José Manuel falou-nos das situações que tem acompanhado desde que está em Portugal, como a situação do Bairro da Torre ou uma comunidade de ciganos que está desalojado e sem condições, em Beja. Essencialmente falou-nos do sofrimento de pessoas que habitam no nosso país e com o qual não consegue ser indiferente. Retive a ideia de que é importante ir à causa do problema, escutar as pessoas, perceber a origem das situações de sofrimento e agir em conformidade, sempre à luz do que Jesus Cristo faria. Sempre à luz do Seu Amor.

Foi bonita a forma como o testemunho do ir. José Manuel veio trazer para a vida os ensinamentos que o Pe. José Augusto nos transmitiu no sábado. Foi bonito ver esta unicidade entre a “teoria” e a “prática”, como os ensinamentos da Igreja se fazem presentes no nosso dia-a-dia e principalmente se devem fazer presentes no mundo em que vivemos. Sinto que quero ser uma pedrinha viva desta Igreja e que não dá para ficar indiferente ao sofrimento do mundo. Há que agir, há que lutar, há que fazer a nossa parte! E para terminar, guardo uma ideia que o irmão nos deixou “vais para onde manda a agenda de Deus”… E é essa agenda, aquela em que reina o Amor de Deus, que comanda a nossa vida e a nossa missão no mundo. Saiba eu deixar-me levar para onde me leva a agenda de Deus.

En los días 17 y 18 de febrero tuvimos la formación "Soy piedrecita, soy Iglesia", en Viseu. El sábado, tuvimos como formador al P. José Augusto Duarte Leitão, del Verbo Divino, que a lo largo del día nos fue hablando de principios de la doctrina de la Iglesia: la centralidad de la persona humana, el bien común, el principio de subsidiariedad y el principio de la solidaridad.  Fuimos reflexionando y compartiendo momentos de la vida de Jesús donde estos principios se hicieron presentes y notorios. Hemos entendido que estos principios se interconectan casi siempre y que nos muestran cómo debemos actuar y relacionarnos en el mundo, a la luz de Jesucristo y de la Iglesia.  Me inspira confianza y esperanza entender que muchas de las cosas que para mí tienen sentido y que intento tener presentes en mi día a día son consideradas por la Iglesia como estructurales en la doctrina social y caritativa.  Entendí que aquello en lo que creo y la forma como veo la vida y mi relación con los demás y con el mundo que me rodea es lo que la Iglesia defiende y promueve.   Tuvimos después un momento de oración, un poco diferente, con el paso a rezar que estuvo muy bien. Guardo las palabras "Eres precioso a mis ojos", intento no olvidarme de este Amor que Dios tiene por mí, de la valía de mi persona a sus ojos. ¿Habrá mayor alegría que ésta, de saberme amada por el Señor? Sólo Él me salva, sólo Él me conoce y es Él quien me llama por mi nombre y me hace correr a su encuentro en los demás, en los que se cruzan conmigo. Es Él quien me llama a servir, a amar, a dar. Es Él quien me llama a ser Amor, como lo es conmigo. Sé que muchas veces estoy lejos de este amor pleno, soy frágil... Pero sé que soy una piedrecita en esta Iglesia del mundo, tengo mi lugar y voy intentando día tras día convertirlo en un sitio mejor.   Por la noche vimos la película Germinal, una película francesa que retrata la lucha por los derechos de unos trabajadores en una mina. Fue intenso, tanto por la historia que retrataba, como en términos de imagen. ¡Fue duro! Pero fue también emocionante, y me hizo pensar en tantas desigualdades y en cómo muchas veces tenemos que someternos a ciertas cosas que pueden no parecer bien a primera vista, pero que, en el fondo, no perdemos nuestra integridad como personas, y que sólo estamos luchando por un bien mayor.  El domingo, tuvimos con nosotros al hermano José Manuel que nos vino a hablar de la urgencia de unir la mente con el corazón, para conseguir volver a la esencia del Amor de Dios, que Jesús nos vino a traer. Y sólo uniendo la mente con el corazón podemos mirar el mundo y podemos encontrar este Amor que transforma.  El hno. José Manuel nos contó acerca de las situaciones que está viviendo desde que está en Portugal, como la situación del barrio de la Torre con una comunidad de gitanos que están sin hogar y sin condiciones, en Beja. Esencialmente nos ha hablado del sufrimiento de personas que habitan en nuestro país y con el que no puede ser indiferente. Reitera la idea de que es importante ir a la causa del problema, escuchar a las personas, entender el origen de las situaciones de sufrimiento y actuar en consecuencia, siempre a la luz de lo que Jesucristo haría. Siempre a la luz de su amor.   Fue hermosa la forma como el testimonio del hno. José Manuel vino a traer a la vida las enseñanzas que el P. José Augusto nos transmitió el sábado. Fue hermoso ver esta unicidad entre la "teoría" y la "práctica". Como las enseñanzas de la Iglesia se hacen presentes en nuestro día a día y principalmente se deben hacer presentes en el mundo en que vivimos. Siento que quiero ser una piedrecita viva de esta Iglesia y que no puedo permanecer indiferente al sufrimiento del mundo. ¡Hay que actuar, hay que luchar, hay que hacer nuestra parte!  Y para terminar, guardo una idea que el hermano nos dejó "vais a donde manda la agenda de Dios”... Y es esa agenda, aquella en que reina el Amor de Dios, que gobierna nuestra vida y nuestra misión en el mundo. Que sepa dejarme llevar a donde me lleve la agenda de Dios.   Ana Isabel Sousa

Ana Isabel Sousa

Notícias da LMC Cristina Sousa vindas da RCA

RCAOlá queridos amigos!

Espero que se encontrem todos bem.

Faz dois meses que cheguei RCA, ainda não desfiz a mala mas o meu coração está completamente rendido por Mongoumba.

As emoções aqui são de uma intensidade que nos transcendem.

Nos momentos que penso “vou embora” sinto que a minha vida ganha raiz aqui!

Não é fácil gerir o desconhecido, não é fácil aceitar o diferente, não é fácil controlar a impotência a revolta… Mas é na dificuldade que deixamos de ser cegos, surdos, mudos…

O processo de adptação tem sido “yeke, yeke“* (como se diz em sango), faço desta expressão “palavra de ordem” no meu pensamento.

Num só dia o meu coração bate de várias maneiras, de manhã choro, à tarde riu e à noite, talvez as duas coisas.

Já comecei as aulas de sango. O Simone diz que o prof. monsieur Dominique já começou a falar muito bem o português. Apesar de tudo isto, tenho um segredo a revelar: estou completamente apaixonada por cinco pequenos pigmeus – Paul, Dimanche, Albert, Pauline e François. Ao virem para a escola tomam o pequeno-almoço e almoçam em nossa casa. São o meu balão de oxigénio, onde respiro e alimento o meu corpo e alma. Brincamos, rezamos e conversamos (É verdade! Conversamos.). Já me perguntaram como nós comunicamos! Gosto muito quando passo a ser objeto de estudo. Sou investigada ao pormenor: mãos, veias, marca do elástico no braço, fazem autênticas reuniões à volta da minha cabeça e o meu cabelo é assunto de muita discussão. Pauline neste último dia descobriu um buraco na minha barriga – o meu umbigo. Tem sido grande tema de conversa! (hehehe)

Como não me apaixonar??!!

Assim termino, desejando a todos uma boa Páscoa.

Que a Quaresma seja um momento de grande reflexão e conversão, mas principalmente de acção “humanitária” e que esta acção seja o reflexo das nossas orações.

Beijinhos de todos nós na RCA.

Que Jesus nos proteja e Ilumine a todos, em particular aos meninos da RCA que são os verdadeiros diamantes de África.

RCA

LMC Cristina Sousa

* yeke, yeke – “devagar, devagarinho”

 

Jovens a caminho

A caminhada já conta com meio ano e a verdade é que em cada dia nos sentimos a ir mais longe. Logo nos primeiros dias a vida deles cruzou com a nossa e a partir desse momento decidimos que de alguma forma tínhamos que caminhar juntos.

O grupo nasceu e ainda que sem nome foi crescendo com o testemunho de vida de todos. Agora são eles que levam o remo.

Nós plantamos um pouco da semente que trazemos dentro e juntos vamos ver dar frutos.

Paula y Neuza. LMC Arequipa

Teatro solidário – uma fonte de vida

Leiria PortugalPartilho convosco aquela que é a minha imagem matinal. Aquela imagem da minha cidade, Linda Leiria, que funciona agora como pano de fundo sobre a minha manhã de desporto na qual encontro também Deus e com Ele converso. Dialogamos sobre aquilo que decorreu no dia 4 de Março na “minha” paróquia de Santa Eufémia – um Teatro Solidário levado ao palco pelo TASE (Teatro de Animação de Santa Eufémia): Comédia a partir das Lendas de Leiria. E quão grata estou ao nosso Pai. N’Ele confiei este Teatro. E quantas não foram as vezes que me achei incapaz. Á memória muitas vezes me vinha o meu compromisso de Quaresma que assumi numa oração shemá (orações que decorrem em Leiria, onde se privilegia o canto e a oração meditada, com inspiração nos métodos de Taizé). ConfiarConfia pois “tudo podes n’Aquele que te dá força (Filipenses 4:13)”. Confia pois “Deus nunca pede nada que antes Ele já não te tenha dado”.

Enquanto corro, reavivo os momentos em que desanimei porque as coisas não estavam a correr tão bem quanto queria. Mas queira eu o que Deus quer, e acima de tudo, que este evento traga os frutos necessários à obra do Senhor, à missão em Arequipa (Projeto Ayllu) e não mais que isso.

E é difícil agradar a todos. Quero crer que tudo o que fiz foi pela Obra do Senhor. Afinal de contas, Jesus nem sempre agradou a todos. E quão difícil é, por vezes, encarcerar em nós as críticas (construtivas ou não) e acatá-las em silêncio. “Podias fazer a, ou b. Mas também poderias fazer c. Ou talvez d”. E peço perdão pelas reacções menos positivas que tive para com aqueles que, embora eu não visse de forma nítida, me queriam somente ajudar. E devo-lhes tanta graça!

Agarrar este evento em nome dos Leigos Missionários Combonianos foi vida. Foi vida que se gerou, não só em mim, mas também vida que se gerou em torno de relações humanas, de pessoas que querem dar(-se). E vejo com este meu olhar crente no mundo que todos (TODOS) somos capazes de amar, todos temos uma ALMA MISSIONÁRIA e (ainda que muitas vezes nos nossos recônditos) esta necessidade de amar e ser amados. E é este Amor que deve ser o motor da vida!

Nas semanas precedentes ao teatro fomos convidando pessoas. Muitos “Não posso”, alguns “Não vou, mas compro o bilhete”, uns quantos “Não sei se vou”, “Eu vou”, “Afinal não posso ir”. Um misto de altos e baixos que foram tecendo uma plateia. Na verdade, estava com receio que a plateia também não fosse apelativa ao próprio TASE (afinal de contas, actuar num palco faz-se com mais gosto e empenho se o público for numeroso e recetivo). Contas feitas, rezava para que, pelo menos 50 pessoas preenchessem os bancos daquele auditório.

Confia Carolina. Ecoava em mim esta frase.

Soubessem a emoção contida no meu coração quando, nesta tarde de Domingo que já ansiava há tanto tempo, surgem para ver o teatro cerca de 130 pessoas. E não posso deixar de agradecer aos presentes, mas também aos que estavam de outra forma, em oração, espiritualmente, em pensamento. Agradeço também ao TASE que de forma tão gratuita e generosa se dispôs a pôr o seu talento teatral a render, colocando a plateia a rir às gargalhadas (eu própria chorei a rir!). Agradeço aos vários patrocinadores (uns mencionados nos flyers, outros que preferiram o seu anonimato). E acima de tudo, agradeço a Deus pelos frutos deste Teatro Solidário que, muito além de financeiros*, são frutos vivos nas relações que se estabeleceram, no diálogo envolvido para a sua concretização, nos pensamentos que surgiram na cabeça de cada um dos colaborantes quando decidiram contribuir. Muito obrigada a todos!

Do fundo do meu coração, o meu mais profundo obrigada. E aqui nasceram mais “mil vidas para a missão”! Estou certa que em tudo o que fizemos teve a mão de Deus e de um amigo nosso, São Daniel Comboni.

LMC Carolina Fiúza

Uma formação que nos falou ao coração

LMC Portugal

Quando falamos do que está cheio o coração, somos capazes de tocar o coração dos outros com uma intensidade tal, que nem nos apercebemos. De facto, para além de uma grande formação sobre o voluntariado e cooperação para o desenvolvimento, La Salete, formadora do encontro, foi-nos contanto histórias sobre a sua vida em missão fantásticas, deixando-nos, na minha opinião, uma grande mensagem: é extremamente importante colocarmo-nos no lugar do outro, procurar compreender determinadas situações para que possamos relacionarmo-nos com maior abertura, respeito e amor pelos povos com quem nos cruzamos em missão.

O segundo encontro de formação da FEC realizou-se em Fátima, nos dias 17 e 18 de Fevereiro e foi bastante intenso. Durante a formação tivemos oportunidade de discutir sobre as desigualdades no Mundo; a riqueza e o desenvolvimento concentrados em poucos países; os conceitos de cooperação e desenvolvimento; os paradigmas do desenvolvimento; a educação para o desenvolvimento e para a cidadania global e, ainda, tivemos oportunidade de ter uma formação intensa sobre metodologia e análise de projetos.

Partilho convosco alguns pontos que achei curiosos: o conceito de Felicidade Interna Bruta que foi um conceito criado pelo rei do Butão para contrapor ao Produto Interno Bruto e que teve bons resultados; o “fairphone”, um telemóvel fabricado sem prejudicar ou escravizar todos os trabalhadores que o produzem. Ficando mais caro, a venda deste telemóvel não pretende ter lucro à custa da exploração de muitos trabalhadores, mas o seu trabalho tem uma justa remuneração, assim como as lojas de comércio justo.

No fim da tarde de sábado vimos o filme Shotting Dogs e, posteriormente, fizemos um cine fórum onde analisámos várias condutas e atitudes das personagens do filme, o que se traduziu numa partilha de ideias e de sentimentos muito bela. À noite tivemos o testemunho missionário de um casal pertencente aos Leigos da Boa Nova, que esteve durante de um ano na diocese de Pemba, em Moçambique.

É sempre uma alegria participar nestes encontros de formação, partilhar com imensas pessoas o carisma missionário e sentir a diversidade da Igreja. O facto de o encontro ser em Fátima e de ter a oportunidade de ir rezar na capelinha das aparições, ainda tornou este encontro mais especial. Que bom é poder caminhar e crescer nestas formações que nos alargam horizontes e nos ajudam a ir compreendendo os caminhos da missão.

LMC Pedro Nascimento